O presidente da Câmara de Famalicão revelou que o lar que foi evacuado na noite de domingo conta com um total de 32 infetados, entre utentes e funcionários. 

Paulo Cunha defendeu a necessidade urgente de rastrear a covid-19 em todos os lares do concelho e manifestou "total disponibilidade" do município para assumir os respetivos custos.

"O rastreio é absolutamente urgente porque nos lares o contágio tem um efeito brutal e dramático", referiu.

Por isso, o município manifesta-se disponível para custear o rastreio e para dar todo o apoio logístico e operacional necessário.

Uma disponibilidade que Paulo Cunha diz ter sido hoje mesmo comunicada à delegada de saúde do concelho.

O concelho de Famalicão tem 21 lares, com um total de 700 utentes e 1.300 trabalhadores.

"O efeito de contágio nos lares é brutal e dramático. São ambientes fechados, de enorme proximidade, e, por isso, o rastreio é fundamental", reiterou o autarca.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais 480 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram perto de 22.000.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

Em Portugal, registaram-se 60 mortes, mais 17 do que na véspera (+39,5%), e 3.544 infeções confirmadas, segundo o balanço feito hoje pela Direção-Geral da Saúde, que identificou 549 novos casos em relação a quarta-feira (+18,3%).

Dos infetados, 191 estão internados, 61 dos quais em unidades de cuidados intensivos, e há 43 doentes que já recuperaram.