“O tribunal considerou que o arguido não atuou com intenção de matar, mas com intenção de a desfigurar, de a atingir”, afirmou o juiz-presidente que, dirigindo-se ao homem, disse acreditar que a pena “é adequada e suficiente para pensar na sua vida”.