A PSP apresentou, esta quinta-feira, o plano de segurança para a final da Liga dos Campeões, que se realiza este sábado, no Estádio do Dragão, no Porto.

A operação, que vai reunir todas as valências da PSP no terreno, conta ainda com o apoio da polícia inglesa especialista em hooligans.

A PSP, atendendo à experiência que tem nestes eventos, solicitou a presença de polícias ingleses especializados neste trabalho ligado aos clubes que vão visitar a cidade do Porto", informou o porta-voz.

Vão ser criados três perímetros junto ao estádio, aos quais apenas poderão aceder adeptos com bilhete para o jogo.

O perímetro junto ao estádio será estabelecido já na sexta-feira a partir das 20:00 e todo o trânsito vai estar condicionado até ao final do jogo.

Recorde-se que o jogo entre o Manchester City - Chelsea é transmitido em direto na TVI, às 20:00 de sábado.

Estão previstas duas fanzones na cidade (locais de concentração de adeptos), aos quais a PSP já deu o parecer e que aguardam confirmação das autoridades competentes.

Atendendo que este jogo significa também o regresso de milhares de adeptos aos estádios, a PSP assegura "criar todas as condições de segurança para que este seja um ambiente de festa".

Não fazemos juízo de valor se é justo ou não a realização do evento. Para nós o foco é a segurança pública", esclareceu a PSP.

PSP não prevê "limitação de circulação de adeptos"

A PSP garantiu ter preparado uma "robusta operação de segurança", mas revelou que não está prevista a "limitação de circulação dos adeptos" que virão de Inglaterra.

Não há limitação de movimentações adeptos. Se houver o encaminhamento de adeptos para um determinado espaço, o que ainda não está fechado, permitirá alguma organização. Se estiverem espalhados pela cidade, vamos ter que nos adaptar a essa circunstância", disse o o subintendente Cardoso da Silva, responsável pela operação.

A PSP já deu um parecer sobre a possibilidade de separar os adeptos do Manchester City e Chelsea, antes do jogo, em diferentes pontos da cidade, mas disse ainda aguardar "uma decisão das entidades competentes", lembrando, no entanto, que é preciso fazer distinção entre adeptos e turistas.

Sabemos que as fronteiras foram abertas e que aos cidadãos ingleses lhes é permitida a viagem para Portugal. Temos a preocupação do ponto de vista do adepto, mas não os podemos confundir com o turista na cidade. Ambos vão merecer a nossa atenção", disse subintendente.

Aeroporto e centro da cidade com "policiamento robusto"

A operação de segurança vai incidir em três ambientes operacionais: aeroporto, centro da cidade e Estádio do Dragão. Estes locais vão contar com um "policiamento robusto" para acompanhar os adeptos.

No Aeroporto Francisco Sá Carneiro é esperada a chegada de 80 voos charter, ao longo da manhã de sábado.

No aeroporto, onde no sábado de manhã prevemos um pico de 80 voos charter, iremos fazer a organização dos adeptos para a sua vinda para a cidade. Na cidade teremos a preocupação de os monitorizar e informar. Junto ao estádio haverá uma operação mais robusta, com um perímetro de segurança com três níveis, com trânsito condicionado a partir das 20:00 de sexta-feira, ao qual só pode aceder quem tiver bilhete", disse o responsável.

O número total de agentes que serão alocados a esta operação não foi divulgado "por questões de segurança", mas a PSP garantiu um contingente reforçado, com elementos da Unidade Especial de Polícia e também da Polícia Municipal do Porto, num dispositivo que estará em constante adaptação.

Metro do Porto com operação especial centrada nos adeptos do Chelsea

A Metro do Porto preparou uma operação especial para a final da Liga dos Campeões de futebol, com especial incidência na linha do Aeroporto e a pensar sobretudo nos adeptos do Chelsea.

“Isto porque, segundo informações transmitidas à Metro do Porto, os adeptos do Manchester City serão transportados de e para o aeroporto em autocarro”, explicou Tiago Braga, em conferência de imprensa na estação de metro dos Aliados, no centro do Porto.

O gestor disse que vai haver um reforço “muito significativo” da oferta na linha E (que liga o aeroporto ao centro da cidade) e na Linha Amarela (Gaia-Hospital de São João).

No caso da linha do Aeroporto haverá um pico de oferta adicional de 1.200 lugares/hora, entre as 17:00 e as 19:00 de sábado.

“Está prevista a chegada ao aeroporto, durante o dia de sábado, de 100 a 150 passageiros por hora. Nós temos uma oferta muito acima disso, com 1.200 lugares disponíveis por hora. Mesmo com um pico de aviões, estamos a falar de uma folga muito grande”, sublinhou o presidente da empresa de metro.

Tudo, conforme acentuou, respeitando as limitações de lotação associadas à covid-19, restringindo a ocupação a dois terços da capacidade em circunstâncias normais.

Na Linha Amarela haverá também um reforço “muito significativo”.

Os adeptos do Chelsea têm o seu ponto de encontro nos Aliados e os que se dirigirem ao Estádio do Dragão serão levados em metro até à Estação dos Combatentes, fazendo o restante percurso a pé.

A final da edição de 2020/21 da Liga dos Campeões vai ser disputada pelos ingleses Manchester City e Chelsea, no sábado, a partir das 20:00, no Estádio do Dragão, no Porto, depois de ter sido ‘deslocada’ de Istambul, devido às restrições nas viagens para diminuir a transmissão do coronavírus, responsável pela pandemia de covid-19.

Será permitida a presença de algum público nas bancadas, após as autoridades de saúde portuguesas terem autorizado um terço da lotação no estádio.

Rafaela Laja / com Lusa - Notícia atualizada às 15:12