Os indicadores presentes no relatório das Linhas Vermelhas, publicado esta sexta-feira, revelam que a atividade pandémica em Portugal está numa fase de "moderada intensidade", com tendência decrescente a nível nacional e na pressão sobre os serviços de saúde.

De acordo com o relatório, o número de casos de Covid-19 internados em Unidades de Cuidados Intensivos (UCI) no continente "revelou uma tendência estável a decrescente, correspondendo a 50%" - na semana
anterior foi de 55% - do valor crítico definido de 255 camas ocupadas.

Na quarta-feira, estavam em UCI 127 doentes, adianta o relatório, que avança ainda que a proporção de testes positivos foi de 3,1%, encontrando-se abaixo do limiar definido de 4,0%.

Também a mortalidade específica por uma infeção pelo novo coronavírus (14,1 óbitos em 14 dias por milhão de habitantes) "apresenta uma tendência estável a decrescente". Este valor é inferior ao limiar de 20 óbitos definido pelo Centro Europeu de Controlo de Doenças (ECDC).

“Observou-se uma diminuição do número de testes para deteção de SARS-CoV-2 realizados nos últimos sete dias”, com um total de 314.823 despistes da covid-19, contra os 346.320 realizados na semana anterior, indicam os dados da DGS e do INSA.

O relatório refere ainda que mais de 29 mil pessoas com a vacinação completa contra a covid-19 foram infetadas com o vírus SARS-Cov-2, o que representa 0,4% do total de vacinados, e 309 morreram, mas estes dados são atualizados mensalmente, o que aconteceu pela última vez a 03 de setembro.

A covid-19 provocou pelo menos 4.602.565 mortes em todo o mundo, entre mais de 223,06 milhões de infeções pelo novo coronavírus registadas desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

Em Portugal, desde março de 2020, morreram 17.843 pessoas e foram contabilizados 1.053.450 casos de infeção confirmados, segundo dados da Direção-Geral da Saúde.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e atualmente com variantes identificadas em países como o Reino Unido, Índia, África do Sul, Brasil ou Peru.

Henrique Magalhães Claudino / Atualizado com Lusa