A região do Algarve é a que apresenta o índice de transmissibilidade (Rt) do vírus SARS-CoV-2 mais elevado no país, com 1,3, enquanto em Lisboa e Vale do Tejo desceu para 1,11 segundo dados divulgados esta sexta-feira pelo INSA.

Ao nível nacional, desde o passado dia 14 de junho até domingo, observou-se uma redução do Rt de 1,20 para 1,1, o que também se registou na região de Lisboa e Vale do Tejo, onde passou de 1,26 para 1,11, adianta o relatório semanal da curva epidémica do Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (INSA),

Para os investigadores do INSA, este resultado sugere “uma desaceleração do aumento do número de novos casos neste período de tempo, ou seja, o número de novos caso mantém-se a crescer, mas mais devagar”.

Por outro lado, na região Algarve observa-se “um aumento acentuado” do índice de transmissibilidade, tendo passado de 1,07 em 27 de maio de 2021 para 1,4 a 14 de junho (0,33 em 19 dias).

Desta data em diante o Rt decresceu para 1,3 a 19 de junho, mantendo-se, no entanto, ainda, em valores elevados”, salienta o INSA

O objetivo deste relatório de situação é apresentar as estimativas da curva epidémica da infeção por SARS-CoV-2 por data de início de sintomas e as estimativas dos parâmetros de transmissibilidade R0(número básico de reprodução) e Rt (número de reprodução efetivo em função do tempo).

Após a correção da curva epidémica para o atraso de notificação, com base nos dados recolhidos, o INSA estima que até ao passado domingo tenham ocorrido 869.663 casos.

Segundo os investigadores, o valor médio do Rt para os dias de 16 a 20 de junho foi de 1,14, podendo o seu verdadeiro valor estar entre 1,13 e 1,15 com uma confiança de 95%.

Foram ainda estimados os seguintes valores de R(t) para as regiões: 1,03 na região Norte, 1,12 na região Centro, 1,17 na região LVT, 1,08 na região Alentejo, 1,34 na região Algarve, 0,98 na região autónoma dos Açores e 1,17 na região autónoma da Madeira.

Todas as regiões apresentam a média do índice de transmissibilidade (cinco dias) superior a 1 com exceção da Região Autónoma dos Açores”, adiantam os investigadores.

Portugal apresenta a taxa de notificação acumulada de 14 dias entre 120 e 239,9 por 100.000 habitantes e R(t) superior 1, ou seja, taxa de notificação elevada e com tendência crescente, acrescentam.

Portugal registou nas últimas 24 horas 1.604 novos casos de infeções confirmadas, a maioria na região de Lisboa e Vale do Tejo (1.049), seguida do Norte, com 239, e do Algarve, com 159.

Desde o início da pandemia em Portugal, em março de 2020, já morreram 17.081 pessoas e foram confirmados 871.483 casos de infeção, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

/ AG