Não se sabe ao certo quantas lojas de objetos religiosos existem em Fátima. Logo, não se sabe ao certo o volume de negócio que geram. Mas são muitas e movimentam muito dinheiro.

Ligadas ao Santuário, há apenas uma livraria e duas lojas onde se vendem artigos oficiais do Santuário e outros objetos religiosos.

Possui, ainda, os espaços comerciais das duas pracetas, num total de 90 e as rendas são simbólicas, variando o seu preço entre os 9 euros e os 34 mensais. Estas lojas não são exploradas comercialmente pelo Santuário que apenas é detentor do espaço”, explica fonte do Santuário à TVI24.

A ACISO - Associação Empresarial de Ourém e Fátima também não tem números específicos sobre esta matéria. O número de associados desta entidade ligados ao comércio de artigos religiosos estão longe de representar a realidade. Há cerca de 220 comerciantes e empresários associados da ACISO “ligados ao negócio da restauração e/ou artigos religiosos” e pouco mais de uma dezena de fabricantes e revendedores.

Não estaria a errar muito se lhe dissesse que há entre 80 a 100 associados que só vendem artigos religiosos”, adianta Domingos Neves, presidente da ACISO, em conversa telefónica com a TVI24.

Do mundo para Fátima

A maioria dos artigos religiosos que são vendidos em Fátima são fabricados na região. Mas são também provenientes da Itália, da China e República Checa.

O presidente da ACISO toma como exemplo o terço do centenário. “Foi lançado há uns seis ou sete meses. O terço e as contas eram integralmente fabricados cá. As contas eram todas fabricadas na Marinha Grande. A procura foi tao grande que nos vimos obrigados a importar as contas da República Checa. Mas o terço é montado cá”, explica Domingos Neves.

Este terço foi lançado pelo santuário. Custa 12 euros, com o preço estipulado por lei e igual em todos os estabelecimentos. O terço traz um certificado de autenticidade.

Terço comemorativo do Centenário das Aparições

Nas lojas que visitámos esta quinta-feira, dizem-nos que é precisamente o terço o objeto mais vendido por estes dias. “Também vão saindo umas coisas do Papa, umas T-shirts… Mas o terço é o que sai mais”, conta o responsável de uma loja que preferiu não se identificar.

Na pequena loja que dirige, assegura que nunca teve produtos como água de Fátima ou ar de Fátima. “Nunca tive. Isso são coisas que não estão certificadas e esse negócio tende a ‘morrer’”, diz.

Mas basta sair dessa loja e olhar para uma das montras praticamente em frente para encontrar frascos de “água de Fátima” a 0,75 euros cada. Mais uns metros à frente, uns frascos um pouco maiores com o mesmo produto, expostos no escaparate à porta da loja, a 1 euro cada.

Água de Fátima à venda nas lojas de recordações, perto do Santuário

Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades

Em Fátima, vende-se de tudo. Os terços e as imagens da Nossa Senhora continuam a ser os objetos com mais saída. Mas o negócio das recordações de Fátima tem vindo a sofrer alterações e procura agora responder aos desejos dos tempos modernos.

Os artigos religiosos de Fátima têm vindo a sofrer mudanças. Além dos mais tradicionais, há-os agora diferentes e até divertidos.

Ricardo Figueira e Cátia Pereira são casados. Ele é técnico de atividade desportiva e ela é psicóloga e estão ambos ligados ao desenvolvimento infantil. Os dois maginaram abordagens nada convencionais para tratar do tema do centenário das aparições de Fátima.

Achámos que fazia falta algo fora do convencional. A ideia é mesmo essa: algo divertido, algo que chegue a outras pessoas. Não é um produto virado para as massas”, explica Ricardo Figueira.

 

Somos de Fátima e temos orgulho em ser desta cidade e em levar Fátima mais longe e de uma forma que respeite a religião e os valores que aprendemos aqui”, explica Cátia.

Assim, nasceu a Funny Fátima, cujos produtos são pensados sobretudo para as crianças. Há de tudos: t-shirts, babetes, canecas e até puzzles. Tudo com imagens divertidas do universo de Fátima, como caricaturas do Papa Francisco e desenhos divertidos dos três pastorinhos e das aparições.

O crescimento do negócio online

E não é só a inovação dos produtos que dita mudanças no negócio de Fátima. As novas plataformas de negócio assumem também outra expressão. A Store Online Fátima é exemplo disso.

Aquilo que começou por ser um part-time para o Engenheiro Octávio Costa, há seis anos, depressa se tornou numa ocupação a tempo inteiro.

Fisicamente, a loja tem apenas um pequeno armazém, mas faz 90% das vendas para o estrangeiro, sobretudo Europa do Sul, Estados Unidos e Brasil, mas também Austrália e Singapura, Malásia e Filipinas.  

À semelhança do que acontece nas lojas físicas, os terços e as imagens da virgem são os objetos mais procurados. 

Houve um aumento significativo nestes primeiros meses. Não sabemos o resto do ano, mas até à data houve um grande aumento, sobretudo devido ao terço do Centenário”, admite Octávio Costa.

A aposta na redução dos custos da empresa tem-se refletido nos preços competitivos que têm ajudado a conquistar mercado em todo o mundo. Uma das particularidades desta loja é a relação direta com os fabricantes a quem os produtos são pagos a pronto.

Manuela Micael / António Pereira Gonçalves e Patrícia Carreira Gonçalves