São oito processos autónomos em que se investigam crimes de branqueamento de capitais através do Eurobic. O ponto de partida é o dinheiro do Estado angolano alegadamente colocado em contas nacionais tituladas por várias entidades controladas por familiares de José Eduardo dos Santos e para seu benefício pessoal. 

É esta a informação, a que a TVI teve acesso, que sustenta as 68 buscas levadas a cabo pela Unidade Nacional de Combate à Corrupção da Polícia Judiciária (PJ) entre quarta e quinta-feira. 

Os visados são o casal Isabel dos Santos, filha do ex-presidente de Angola, e o marido Sindika Dokolo, a quem a investigação portuguesa já congelou mais de 300 milhões de euros que circulavam em contas nacionais, além do arresto de um vasto património. 

Nesta última operação, procurava-se documentação bancária e contabilística, agendas, notas pessoais e de pagamentos, computadores, ipads, tablets, pens e cópias de emails.

O objetivo era apreender estes objetos e eventuais indícios que consolidem as provas de que a família Dos Santos lava grande parte da sua fortuna, alegadamente obtida de forma ilícita, no nosso país. 

A PJ avançou assim do Porto ao Algarve, tendo feito buscas numa casa de luxo na Quinta do Lago, que se presume ser do casal. 

Sindika Dokolo, que tal como Isabel dos Santos está fora do país, foi também alvo de buscas num edifício de 11 andares que detém em Rio de Mouro, concelho de Sintra, tal como no interior de um Porsche Panamera que ali tem estacionado. 

O processo refere cerca de 40 entidades alegadamente relacionadas com Sindika. Sociedades que a PJ acredita serem veículos utilitários ao branqueamento de capitais. 

Foi alvo de buscas a advogada Raquel Lourenço, com escritório no número 190 da Avenida da Liberdade, o mesmo edifício onde têm sede as sociedades H33 e Fidequity, geridas por Vasco Pires Rites e Nuno Moreira Frutuoso, que pertencem à família Dos Santos. 

Os dois gestores foram alvo de buscas nas suas casas, no Porto, assim como nos seus carros de luxo - um Mercedes CLS, um BMW Série 5 e um Range Rover. 

Muitas outras sociedades foram visitadas pelos inspetores, nas 68 buscas, sobretudo no Porto, assim como cofres bancários numa agência do Novo Banco naquela cidade. 

Quanto a protagonistas, entre outras pessoas, a PJ avançou para as casas e escritórios de três que são próximos de Isabel dos Santos: Mário Leite Silva, presidente da Fidequity e diretor da Grisogono, que até o seu Porsche Boxster viu ser vasculhado, o advogado Jorge Brito Pereira e Paula Oliveira, amiga da empresária angolana.

Os crimes precedentes para as suspeitas de branqueamento de capitais estão em Angola, que colabora na participação de crimes como corrupção ou peculato, e, nos processos que estão a ser acompanhados pelo juiz Carlos Alexandre.

Os próximos passos da investigação podem implicar a emissão de mandados de captura internacionais.

Henrique Machado