O processo em que Joe Berardo foi detido, sob suspeita de burlas, branqueamento ou fraude fiscal - além de corrupção, crime que, conforme a TVI noticiou, consta do inquérito e dos mandados que foram emitidos - vai muito para lá dos 350 milhões de euros que o empresário madeirense deve à Caixa.

Ao que a TVI apurou, a investigação incide sobre a forma como a administração do banco do Estado, durante anos a fio, permitiu a vários grandes devedores a reestruturação dos seus créditos, livrando-os da insolvência, sem cumprir com as regras estabelecidas pelo Banco de Portugal.

Um desses devedores é o presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira, e a sua empresa Obriverca - que deve nove milhões de euros à Caixa. O processo tem essa referência, sabe a TVI

Em causa estão, entre outros, suspeitas do crime de administração danosa, alegadamente cometido em coautoria pelos devedores e pelos representantes do banco que permitiram as reestruturações das dívidas ao arrepio das regras. Por isso Carlos Santos Ferreira, antigo presidente da Caixa, já arguido.

Sobre ele pendem ainda suspeitas de corrupção - pelo facto de Berardo, depois de a Caixa lhe ter emprestado 350 milhões para tomar posição acionista no BCP,  ter ajudado a colocar Santos Ferreira na presidência daquele banco privado.

Além da Obriverca de Luís Filipe Vieira, há referências no processo a outros devedores - tendo por base uma auditoria feita pela EY que também consta dos volumes do inquérito.

Henrique Machado