A Polícia Judiciária, a Metropolitan Police de Londres e a polícia alemã (BKA), chegaram a um suspeito formal do rapto de Madeleine McCann, a criança inglesa que desapareceu há 13 anos na praia da Luz, em Lagos, quando tinha apenas três anos.

Trata-se de um homem alemão, um predador sexual, que atualmente está preso na Alemanha, cumprindo pena pelo crime de violação de uma mulher.

A polícia alemã confirmou que o homem já foi acusado de vários crimes, nomeadamente pelo abuso sexual de duas crianças do sexo feminino.

O homem é descrito pelas autoridades como caucasiano, com cerca de 1,80 metros de altura e, quando tudo aconteceu, teria cabelos loiros. Atualmente com 43 anos, tinha 30 quando se deram os acontecimentos, mas podia aparentar ser mais novo, com cerca de 25.

A investigação apurou que este homem viveu grandes temporadas no Algarve entre 1995 e 2007, nomeadamente numa casa entre Lagos e a Praia da Luz. Imagens desta casa foram divulgadas pelas autoridades alemãs.

Segundo a polícia alemã, durante o período em que esteve no Algarve, este homem teve vários trabalhos, nomeadamente na área da restauração, mas também "ganhou a vida" a fazer vários roubos em hotéis e apartamentos de férias e a traficar droga. 

O suspeito tinha uma Van, cujas imagens foram divulgadas pela Metropolitan Police. Trata-se de uma Volkswagen T3 Westfalia do início dos anos 1980, branca com uma risca amarela na parte de baixo e com matrícula portuguesa. 

Há também informações sobre um outro veículo usado pelo suspeito: um Jaguar XJR 6, que, logo no dia seguinte ao desaparecimento da menina, foi passado para o nome de outra pessoa. As autoridades acreditam, porém, que na altura o carro ainda estava em Portugal. 

Os dois veículos estão atualmente na posse das autoridades alemãs.

A polícia britânica revelou que foram também identificados dois números de telemóvel, que podem ajudar o progresso da investigação.

Um desses números (912 730 680) foi usado pelo suspeito no dia do desaparecimento da menina para receber uma chamada, entre as 19:32 e as 20:02, na zona da Praia da Luz.

O segundo número (916 510 683) foi identificado como tendo iniciado a chamada. As autoridades dizem que quem fez a chamada não estava na Praia da Luz, mas que pode ser uma testemunha importante. A chamada aconteceu cerca de uma hora antes do desaparecimento.

As autoridades britânicas deixaram o apelo: quem tiver informações sobre este número deve contactar a polícia.  Há uma recompensa de 20 mil libras (22,4 mil euros) para a informação que resulte na condenação da pessoa ou pessoas responsáveis pelo desaparecimento da menina.

Madeleine McCann desapareceu poucos dias antes de fazer quatro anos, a 3 de maio de 2007, do quarto onde dormia juntamente com os dois irmãos gémeos, mais novos, num apartamento de um aldeamento turístico, na Praia da Luz, no Algarve.

A polícia britânica começou por formar uma equipa em 2011 para rever toda a informação disponível, abrindo um inquérito formal no ano seguinte, tendo até agora despendido perto de 12 milhões de libras (14 milhões de euros). 

A Polícia Judiciária reabriu a investigação em 2013, depois de o caso ter sido arquivado pela Procuradoria-Geral da República em 2008, ilibando os três arguidos, os pais de Madeleine, Kate e Gerry McCann, e um outro britânico, Robert Murat.

Redação