Dez anos é um "indicador horrível do tempo, tempo roubado", lamentaram esta terça-feira os pais de Madeleine McCann numa mensagem a propósito do 10.º aniversário do desaparecimento da filha, a 3 de maio de 2007, no Algarve.

Não há uma forma fácil de o dizer, de o descrever, de o aceitar", referem Kate e Gerry McCann numa mensagem difundida na página de Facebook da Campanha Oficial de Busca por Madeleine, dizendo que nunca pensaram que a filha ficasse desaparecida durante tanto tempo.

Madeleine McCann desapareceu poucos dias antes de fazer quatro anos, a 03 de maio de 2007, do quarto onde dormia juntamente com os dois irmãos gémeos, mais novos, num apartamento de um aldeamento turístico, na Praia da Luz, no Algarve.

Na mensagem, os pais relembram casos como o de Shawn Hornbeck, que foi raptada e escondida durante quatro anos, ou Natascha Kampusch, durante oito anos, dizendo que os fazem pensar que a própria filha possa estar a sofrer o mesmo.

Estamos a preparar-nos para as próximas semanas. É provável que sejam desgastantes e dolorosas e pior ainda devido à reutilização de velhas histórias, desinformação, meias verdades e puras mentiras que vão passar pelos jornais, redes sociais e "edições especiais" de programas de televisão", revelam.

"Força para procurar"

 Os McCann recusam-se a dar entrevistas ou fazer aparições em programas, porque consideram essas diligências "extenuantes" e sem préstimo.

Podíamos passar o nosso tempo e energia a tentar defender-nos e a corrigir imprecisões e mentiras, mas assim não teríamos mais força para procurar a Madeleine, cuidar dos nossos outros filhos e viver a nossa vida", referem os pais de Madeleine McCann.

Kate e Gerry pedem que a comunicação social tenha consciência do que incluem nas notícias e o efeito da "negatividade sem fundamento nem justificação" na família.

Os progenitores reconhecem que têm enfrentado "muitos desafios e pontos baixos ao longo do caminho, mas o afeto, encorajamento e a positividade que temos sentido da 'maioria silenciosa' tem-nos sem dúvida ajudado e alimentado a nossa fé na bondade humana".

Vamos continuar, tentar o nosso melhor, nunca desistir e aproveitar o melhor que pudermos da vida que temos", referem a propósito do 10.º aniversário sobre o desaparecimento da filha.