O mau tempo no Funchal provocou, este sábado, um apagão e fortes inundações na cidade, com estradas intransitáveis e carros parcialmente submersos. 

O presidente da Câmara do Funchal, Miguel Silva Gouveia adiantou à TVI que o apagão ocorreu na sequência de uma descarga elétrica que afetou o sistema da Central Térmica da Vitória, localizada na capital madeirense.

O corte de energia foi geral", disse Miguel Silva Gouveia, apelando à serenidade da população.

O apagão ocorreu cerca das 20:45, e no Funchal durou até cerca das 23:00, numa altura em que a costa sul e as regiões montanhosas da ilha da Madeira se encontravam sob aviso vermelho para chuva e trovoada que vigorou até 21:00. O corte geral eletricidade afetou também as telecomunicações na ilha.

Inundações deixam duas famílias desalojadas

As cheias foram provocadas pela chuva forte deste sábado. Houve zonas da cidade com queda forte de granizo, durante a tarde.

No Funchal, duas famílias, no total de sete pessoas, foram realojadas devido à falta de condições de habitabilidade de duas casas inundadas.

O autarca adiantou ainda que foram registadas mais de 100 ocorrências, sobretudo inundações e pequenos incêndios em instalações elétricas, mas não há vítimas a assinalar.

Na sequência do apagão, os bombeiros foram também chamados a socorrer várias pessoas que ficaram presas em elevadores.

A prioridade foi salvaguardar a integridade física das pessoas", realçou Miguel Gouveia.

O Instituto Português do Mar e da Atmosfera, que chegou a colocar parte da ilha em alerta vermelho, mantém agora o arquipélago sob aviso laranja [Madeira] e amarelo [Porto Santo] até às 12:00 de domingo, sendo que o mau tempo afeta todo o território desde a madrugada de hoje, com chuva forte, queda e granizo e trovoada.

As duas corporações de bombeiros do município - os Sapadores e os Voluntários Madeirenses - continuam envolvidas em operações da limpeza e sinalização de vias devido à queda de pedras e inundações, o mesmo ocorrendo com outras corporações da região.

Nas redes sociais, vários habitantes relataram a falta de eletricidade e o agravamento das condições metereológicas.

Rafaela Laja