A mulher que na quinta-feira ingeriu um produto ácido e instou as duas filhas, de cinco e oito anos, a bebê-lo, continua em estado crítico, mas estável, disse à Lusa fonte do Hospital Dr. Nélio Mendonça, no Funchal.

«Continua em estado crítico, mas estável como ontem [sexta-feira], e o seu prognóstico é bastante reservado», afirmou a directora clínica da unidade hospitalar, Sidónia Nunes, referindo que a doente se encontra nos cuidados intermédios.

A responsável adiantou à Lusa que as menores, ainda internadas, «estão bem».

A mulher, com cerca de 40 anos, e as duas filhas deram entrada na quinta-feira no hospital do Funchal.

No dia seguinte, o director do serviço de Urgências explicou que a doente «bebeu o produto primeiro, ficou debilitada e acabou por não ter forças para obrigar as crianças a ingeri-lo, pelo que as meninas estão livres de perigo».

O médico acrescentou que a mulher «ingeriu um produto ácido que corrói e deixa marcas irreversíveis e irrecuperáveis».

A situação foi comunicada à Polícia Judiciária, que está a investigar.
Redação