As negociações que estavam a decorrer entre o Ministério da Administração Interna e os sindicatos da PSP antes da pandemia vão ser retomadas em março, estando em cima da mesa o subsídio de risco, indicou hoje uma das estruturas.

A informação foi avançada à Associação Sindical dos Profissionais da Polícia (ASPP/PSP) pelo ministro da Administração Interna durante uma reunião de apresentação da nova direção da ASPP, liderada por Paulo Santos.

No final do encontro, o presidente da ASPP disse à Lusa que o ministro Eduardo Cabrita avançou que em março vão ser retomadas as negociações que estavam a decorrer antes da pandemia de covid-19 e os assuntos a abordar nas primeiras reuniões com os sindicatos vão ser as questões relacionadas com a reestruturação dos suplementos e higiene, saúde e segurança no trabalho.

Paulo Santos precisou que no âmbito destas negociações terá que estar também em cima da mesa o subsídio de risco, uma vez que foi aprovado no Orçamento do Estado deste ano, tendo o ministro mostrado interesse em resolver a questão.

O sindicalista considerou importante que sejam retomadas as negociações.

Na reunião, a nova direção da ASPP entregou um caderno reivindicativo, no qual constam os principais problemas dos polícias à espera de resolução, como a atribuição do subsídio de risco, revisão dos suplementos, recrutamento de novos agentes, diminuição da percentagem paga mensalmente para os serviços de saúde da PSP e pré-aposentação.

Sobre a vacinação contra a covid-19 na PSP, Paulo Santos referiu que há polícias que já estão a ser convocados, devendo o processo iniciar-se dentro de “um ou dois dias” num total de 10 mil elementos.

/ RL