Um homem de 84 anos com Alzheimer é acusado pelo Estado português de posse de uma arma proibida. A história começou há cinco anos.

Manuel Sousa tinha uma espingarda em casa que tinha sido do pai dele, que era caçador, e não estava registada. Na altura, Manuel Sousa ameçou o vizinho de que o matava.

Nada aconteceu ao vizinho injuriado e ameaçado. O vizinho nem sequer apresentou queixa. A GNR foi chamada e acabou por levar a arma e as munições que Manuel Sousa tinha em casa. 

O assunto parecia encerrado e com a doença a avançar a mulher de Manuel Sousa, Alice, decidiu ir para a Alemanha onde tem os filhos e onde esteve emigrada.

Mas o Ministério Público decidiu acusar Manuel Sousa de detenção de arma proibida. Na mesma acusação já se diz que o arguido padece de Alzheimer, doença diagnosticada em setembro de 2014.

Mesmo assim, o Ministério Público acusou o homem, que teve de vir da Alemanha para ser julgado, sem ter a mínima consciência do que lhe está a acontecer.