O Presidente da República atribuiu este domingo à Associação Naval de Lisboa, o título de membro honorário da Ordem do Infante D. Henrique e sugeriu que esta recupere o nome Real, com que foi criada por D. Pedro V.

Marcelo Rebelo de Sousa teve este gesto no final de um desfile náutico que assinalou o encerramento das comemorações dos 160 anos da Associação Naval de Lisboa, com cerca de 300 embarcações, ao qual se juntou, no catamarã “Gaivota do Mar".

Declarando-se "republicano confesso", o chefe de Estado afirmou ter "dificuldade em entender como é que se mudou o nome, e como ainda não voltaram a recuperar o nome histórico de Real Associação Naval de Lisboa, como outras instituições, que mantêm a sua denominação de origem".

Numa cerimónia na Associação Naval de Lisboa, em Belém, Marcelo Rebelo de Sousa descerrou uma placa assinalando a sua presença nestas comemorações e recebeu um diploma de presidente honorário desta instituição.

Em seguida, num curto discurso, o Presidente da República referiu que encontrou registos de várias visitas de chefes de Estado à Associação Naval de Lisboa, mas somente de um a galardoá-la, "na I República, o Presidente Bernardino Machado".

E o acaso quis que ele galardoasse mas não assistisse à entrega, porque entretanto caiu o regime republicano, e foi já em regime militar que esta associação recebeu a comenda da Ordem Militar de Cristo", acrescentou.

Com Cristas e outras ondas

O chefe de Estado, Marcelo Rebelo de Sousa, voltou este domingo ao Tejo, lugar do seu famoso mergulho enquanto candidato autárquico em 1989, mas desta vez de barco.

Sempre perto de si esteve a presidente do CDS-PP, numa viagem de catamarã onde também navegaram o presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina, e a candidata do PSD à presidência deste município, Teresa Leal Coelho.

São tudo pessoas amigas, com quem eu falo há muitos anos, aprendendo sempre muito com estas pessoas", salientou a propósito Marcelo Rebelo de Sousa.

O passeio de barco, entre Alcântara e o Padrão dos Descobrimentos, em Belém, fez parte de um desfile náutico para assinalar o encerramento 160 anos da Associação Naval de Lisboa, com a participação de cerca de 300 embarcações.