O Presidente da República defendeu, esta terça-feira, que as Forças Armadas constituem “motivo de orgulho para os portugueses” e exortou a que todos, dos menos aos mais responsáveis, contribuam para o sublinhar todos os dias.

Os portugueses reveem-se e confiam nas suas Forças Armadas. A relevância da sua missão, os seus valores e princípios, o firme sentido do dever, e o seu exemplar desempenho na defesa da nossa soberania, prestigiam Portugal e constituem motivo de orgulho para todos os portugueses”, afirmou Marcelo Rebelo de Sousa.

Um orgulho que, acrescentou, “todos, dos menos aos mais responsáveis devem contribuir para sublinhar dia após dia”, realçou o Comandante Supremo das Forças Armadas no seu discurso, numa cerimónia na Base Aérea do Montijo, após condecorar a Esquadrilha de Helicópteros da Marinha, inaugurada em 1993 por Aníbal Cavaco Silva, então primeiro-ministro.

Cavaco Silva, na qualidade de “pai da esquadrilha”, como se lhe dirigiu Marcelo Rebelo de Sousa no momento da “foto de família” após a condecoração, mereceu lugar de destaque na cerimónia, ao lado do Presidente da República, com quem trocou cumprimentos.

A Esquadrilha de Helicópteros da Marinha foi agraciada com a medalha de membro honorário da Ordem do Infante D. Henrique, pelos seus 25 anos ao serviço da Marinha, registando 23 mil horas de voo em missões nacionais e internacionais.

Foram 25 anos, iniciados na governação do então primeiro-ministro Aníbal Cavaco Silva, por isso aqui hoje, a muito justo título homenageado”, assinalou Marcelo Rebelo de Sousa.

A frota de cinco helicópteros constitui um “enorme trunfo para a missão da Marinha e das Forças Armadas, na dissuasão, na versatilidade, na decisão tática e nos seus efeitos”.

Os helicópteros Lynx rapidamente se tornaram a linha da frente da Marinha e sempre estiveram onde ela esteve e portanto onde esteve Portugal”, disse Marcelo Rebelo de Sousa.

Antes, o Chefe do Estado-Maior da Armada (CEMA), Almirante Mendes Calado, agradeceu o “empenho determinante” de Cavaco Silva “para que a Marinha voltasse a ter asas” e frisou que o emprego dos helicópteros Lynx foi um dos momentos mais transformadores da Marinha.

A operação de aeronaves embarcadas exigiu das guarnições dos navios a adoção de padrões de elevado rigor e profissionalismo que hoje, passado 25 anos, se disseminaram pela esquadra” e se “constituem como referência” em particular no domínio da segurança, destacou.

O almirante CEMA adiantou que o primeiro dos Lynx modernizado e com novo motor estará operacional em 2019. Atualmente, estão três destas aeronaves em Inglaterra no âmbito do programa de substituição dos motores e modernização visando estender o ciclo de vida útil dos Lynx.

O chefe do Estado-Maior das Forças Armadas, Almirante Silva Ribeiro, o secretário de Estado da Defesa Nacional, Marcos Perestrello, o chefe do Estado-Maior da Força Aérea, general Teixeira Rolo, o vice-presidente da comissão parlamentar de Defesa Nacional, Miranda Calha, entre outras altas patentes militares e convidados civis, marcaram presença na cerimónia na Base Aérea do Montijo.