“Vem confirmar o que temos dito sempre, ou seja, que o ME não quer esta prova para tomar medidas, para resolver o problema de formação nas instituições, mas sim para massacrar e denegrir este grupo profissional”, declarou à agência Lusa Mário Nogueira.




“Se há jovens professores, acabados de formar que revelam dificuldades em determinadas disciplinas, devíamos perguntar: que consequência vai o ME tirar disto?"

"O que o ME vai fazer é impedir estes professores de se candidatarem aos concursos e não resolver o problema de fundo que diz respeito à formação nas instituições”, explicou.


“Temos de saber quais são as instituições onde estes professores são formados, onde são, porquê e temos de as corrigir e isso, o ME não fez”, disse.


“A de português teve problemas e até teve de haver prolongamento de tempo porque havia um problema no próprio teste e a de química foi aquela que o próprio IADE reprovou porque tinha erros”, recordou.