Um homem de 48 anos foi, esta quarta-feira, condenado a 18 anos de prisão por ter matado outro de 30 com uma garrafa partida num café em Santo Tirso, no distrito do Porto, em abril deste ano.

O coletivo de juízes do Tribunal de Matosinhos sentenciou ainda o homicida ao pagamento de uma indemnização de 110 mil euros à mãe da vítima mortal.

Tirou a vida a uma pessoa de 30 anos de uma forma incompreensível e sem qualquer justificação, usando um método [garrafa partida] ao qual está subjacente uma elevada perigosidade”, referiu a magistrada, durante a leitura da decisão judicial.

Segundo a acusação do Ministério Público (MP), a 26 de abril deste ano, num café em Santo Tirso, o arguido, depois de ter sido repreendido pela vítima por estar a ofender umas mulheres que estavam no estabelecimento, pegou numa garrafa pelo gargalo, partiu o fundo e golpeou-o no pescoço e na cabeça.

A vítima ainda foi conduzida para o Centro Hospitalar de São João para ser submetida a uma intervenção cirúrgica, mas acabou por morrer poucas horas depois devido à gravidade das lesões.

No início do julgamento, na semana passada, o homicida disse não se recordar de ter matado a vítima, acrescentando que a “ter feito alguma coisa” foi porque foi provocado.

A juiz presidente considerou estas explicações “estapafúrdias”, reforçando que a sua tese de “alegada legítima defesa” não foi tida como verídica.

Lembrando que o arguido já cumpriu pena por ameaça à integridade física e injúrias, a magistrada acrescentou que o mesmo não está integrado social e profissionalmente e é conflituoso.

“Estes crimes causam grande alarme social”, reforçou.