Foram várias as motivações das jovens que aceitaram participar, a troco de dinheiro, em orgias com o milionário alemão Matthias Schmelz. Algumas diziam que precisavam do dinheiro para alimentar vícios, mas outras queriam apenas comprar bens materias, como malas e telemóveis.

Como a TVI já deu conta numa outra reportagem, o empresário contava com a ajuda de uma menor de 15 anos para a angariação de outras adolescentes para os encontros sexuais. As raparigas eram abordadas e recrutadas na Escola Secundária de Vergílio Ferreira, em Telheiras, Lisboa. Muitas delas chegavam mesmo a apanhar boleia do próprio Matthias Schmelz, à porta do estabelecimento.

Normalmente, as jovens eram sempre apanhadas aos pares e seguiam para os encontros sexuais num hotel ou na moradia de luxo do milionário, na zona do Estoril, em Cascais. Mas este esquema era aplicado em várias escolas e colégios.

O caso da Escola Secundária de Telheiras ficou conhecido porque surgiram rumores nos corredores de estabelecimento de ensino, que acabaram por chegar aos ouvidos dos pais de algumas alunas. Foi assim que, em dezembro do ano passado, chegou uma denúncia à Polícia Judiciária, que deu origem à investigação que decorre há vários meses.  

O pagamento era feito sempre em dinheiro. As jovens que aceitaram o convite para participar nas orgias, alegaram que precisavam do dinheiro para comprar droga, malas, telemóveis ou então iam simplesmente "pela adrenalina"

Matthias Schmelz, que é suspeito dos crimes de recurso à prostituição e lenocínio de menores, continua em liberdade. A TVI convidou o empresário para uma entrevista, mas não obteve resposta. A direção da Escola Secundária de Vergílio Ferreira também se recusou a falar do caso com a TVI.