Todos os distritos, com excepção de Santarém e Évora, estão esta quinta-feira com aviso «Amarelo» atendendo à previsão de vento forte a muito forte.

Para esta quinta-feira, o Instituto de Meteorologia prevê céu muito nublado, diminuindo gradualmente de nebulosidade a partir da manhã. Aguardam-se ainda aguaceiros, que deverão diminuir de frequência e intensidade a partir do início da manhã.

Três feridos, inundações, queda de árvores e de postes

Segundo o Instituto de Meteorologia, Portugal Continental será influenciado pela passagem de um sistema frontal que irá provocar chuva por vezes forte, vento com rajadas que podem atingir os 110 quilómetros/hora nas terras altas e agitação marítima na costa ocidental que pode atingir os seis metros.

A ANPC refere que no nível de alerta amarelo os eventos previstos, não sendo invulgares, podem ser «perigosos», devendo, por isso, a população adoptar as medidas de «prevenção e auto-protecção» e «adequar os comportamentos à situação».

Alerta para acidentes de viação e inundações

A Protecção Civil alerta para a possibilidade de aumento do número de acidentes de viação, inundações, cheias rápidas em meio urbano e danos em estruturas montadas ou suspensas.

Toda a costa de Portugal continental encontra-se sob aviso «Laranja» devido à ondulação forte e 16 dos 18 distritos estão com aviso «Amarelo» por se prever vento forte, de acordo com o Instituto de Meteorologia.

Na costa a norte do distrito de Lisboa, inclusive, aguardam-se ondas entre os cinco e os seis metros de altura podendo chegar aos sete metros temporariamente.

Na restante costa, a ondulação deverá variar entre os cinco e os seis metros.

O aviso «Amarelo» do IM corresponde ao menos grave de uma escala de quatro, enquanto o "Laranja" ao segundo nível menos grave.

Lisboa: 20 pedidos de auxílio da meia-noite às três da manhã

Os Sapadores Bombeiros de Lisboa receberam entre a meia-noite e as três da manhã desta quinta-feira, período em que choveu com mais intensidade, 20 pedidos de auxílio por inundações, em habitações e na via pública, e quedas de árvores devido à chuva forte, disse fonte da corporação, citada pela Lusa.
Redação / CR