A proteção civil alertou, esta segunda-feira, para a descida das temperaturas de terça para quarta-feira em todo o país, com valores entre os zero e os quatro graus centígrados em todo o território.

O alerta à população surge após uma reunião entre a Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) e o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), que prevê uma diminuição da temperatura a partir da noite de terça para quarta-feira, provocando uma situação de tempo frio e seco que se prolongará até ao próximo sábado.

Os valores das temperaturas mínimas deverão variar entre zero e 4.ºgraus centígrados na generalidade do país, mas serão significativamente mais baixos nas regiões do interior, em particular nas regiões do Norte e Centro, onde a temperatura mínima poderá descer até 8.º C negativos.

Quanto à temperatura máxima, não deverá ultrapassar os 8.º a 12.º graus centígrados no litoral oeste e no interior sul, sendo ligeiramente superior na costa sul do Algarve (entre 12.º e 14.º C) e inferior no interior Norte e Centro, onde os valores não deverão ultrapassar 5.º/6.º graus.

Também a partir da noite de terça-feira e até quinta-feira, o vento soprará mais intenso, em geral de intensidade moderada, forte nas terras altas.

Face às condições meteorológicas, a ANPC lembra que poderão existir intoxicações por inalação de gases, devido a inadequada ventilação nas habitações e incêndios resultantes da má utilização de lareiras e braseiras ou de avarias em circuitos elétricos.

Quatro distritos sob Aviso Laranja

O Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) colocou sob Aviso Laranja os distritos de Évora, Castelo Branco, Aveiro e Portalegre devido ao tempo frio.

Segundo o IPMA, o Aviso Laranja para aqueles distritos vai vigorar entre as 21:00 de quarta-feira e as 18:00 de quinta-feira.

O Aviso Laranja, o segundo mais grave de uma escala de quatro, é emitido devido a uma situação meteorológica de risco moderado e elevado e é aconselhado às pessoas para se manterem ao corrente da evolução das condições meteorológicas e seguir as orientações da Autoridade Nacional da Proteção Civil.

Para os distritos de Bragança, Viseu, Porto, Guarda, Faro, Vila Real, Setúbal, Santarém, Viana do Castelo, Lisboa, Leiria, Beja, Coimbra e Braga, o IPMA manteve o ‘Aviso Amarelo”, também devido ao tempo frio, que vai vigorar entre as 21:00 de terça-feira e as 18:00 de quinta-feira.

O Aviso Amarelo, segundo menos grave de uma escala de quatro, refere-se a uma situação de risco para determinadas atividades dependentes da situação meteorológica.

Conselhos para enfrentar melhor o frio

A proteção civil chama a atenção para a eventual formação de gelo em troços de estradas com ensombramento permanente e pede para que haja especial atenção com os grupos populacionais mais vulneráveis, crianças, idosos e pessoas portadoras de patologias crónicas e população sem-abrigo.

A ANPC apela à população para adotar comportamentos adequados:

  • Evite a exposição prolongada ao frio e às mudanças bruscas de temperatura;
  • Use várias camadas de roupa, folgada e adaptada à temperatura ambiente;
  • Proteja das extremidades do corpo (usando luvas, gorro, meias quentes e cachecol);
  • Coma de sopas e beba bebidas quentes, evitando o álcool que proporciona uma falsa sensação de calor;
  • Tenha especial atenção com a proteção em termos de vestuário por parte de trabalhadores que exerçam a sua atividade no exterior, e evitar esforços excessivos resultantes dessa atividade.
  • Tenha especial atenção aos aquecimentos com combustão (ex. braseiras e lareiras), que podem causar intoxicação devido à acumulação de monóxido de carbono e levar à morte;
  • Assegure uma adequada ventilação das habitações, quando não for possível evitar o uso de braseiras ou lareiras;
  • Evite o uso de dispositivos de aquecimento durante o sono, desligando sempre quaisquer aparelhos antes de se deitar;
  • Tenha em atenção a condução em locais onde se forme gelo na estrada, adotando uma condução defensiva;
  • Tenha especial atenção por parte das famílias e vizinhos, e das redes sociais de proximidade, com as situações de pessoas idosas ou em condição de maior isolamento.

Plano de contingência para os sem-abrigo

A Câmara de Lisboa vai acionar, a partir de terça-feira, o plano de contingência para os sem-abrigo, devido ao tempo frio, sendo distribuídas refeições quentes, alimentos e agasalhos no Pavilhão do Casal Vistoso, anunciou a autarquia.

Em comunicado, a autarquia precisa que o Plano de Contingência para as Pessoas Sem-Abrigo Perante o Frio, que é ativado quando se registam, pelo menos, dois dias consecutivos com temperaturas mínimas abaixo de três graus, estará em vigor a partir do final da tarde de terça-feira.

Cinco estações do Metropolitano de Lisboa vão estar abertas à noite, a partir de terça-feira:

  • Rossio,
  • Intendente,
  • Saldanha,
  • Oriente,
  • Colégio Militar.

O município acrescenta que o Dispositivo Integrado de Apoio aos Sem-Abrigo (DIASA) estará em funcionamento no Pavilhão do Casal Vistoso, permitindo a distribuição de refeições quentes, de alimentos e de agasalhos.

Na mesma nota, o Serviço Municipal de Proteção Civil aconselha a dar "especial atenção aos grupos da população de maior risco", como crianças nos primeiros anos de vida e idosos, doentes crónicos ou acamados e indivíduos com perturbações de memória, problemas de saúde mental, alcoolismo ou demência, que tomem medicamentos como psicotrópicos ou anti-inflamatórios, com mobilidade condicionada ou ainda que vivam isolados ou em situação de exclusão social.

Este organismo sugere, também, que a população se mantenha "em casa ou em locais quentes" e que sejam evitadas "atividades físicas intensas que obrigam o coração a um maior esforço que podem provocar um ataque cardíaco".

Sabe o que é "geada negra"?

As baixas temperaturas previstas para os próximos dias podem provocar a chamada “geada negra”, que, segundo a meteorologista Madalena Rodrigues, é natural que aconteça com alguma frequência em Portugal.

Afeta plantas mais sensíveis ao frio e surge principalmente com temperaturas negativas ou próximo de zero”, disse a responsável do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), explicando que não é um fenómeno raro.

A “geada negra”, explicou, na verdade não é geada, que é branca, mas sim uma situação de frio que queima a seiva das plantas, que ficam negras por isso.

Madalena Rodrigues não indicou locais prováveis para a “geada negra”, afirmando apenas que as temperaturas muito baixas podem afetar plantas ao ar livre que não sejam próprias da época ou que sejam mais sensíveis.

A meteorologista frisou que a “geada negra” acontece com alguma frequência nos invernos e que apenas afeta as plantas.

A “geada negra” acontece com frio intenso e muito seco e com vento, que impede a formação de geada mas provoca o congelamento da seiva, e a planta fica escura e morre. Regar as plantas pode ter uma ação protetora.