O Plano Regional de Emergência de Proteção Civil dos Açores foi desativado às 17:00 locais (18:00 em Lisboa), tendo sido registadas  255 ocorrências na sequência da passagem do furacão “Lorenzo”, anunciou esta quarta-feira a Proteção Civil local.

“Resolvemos desativar o Plano Regional de Emergência de Proteção Civil pelas 17:00”, adiantou o presidente do Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores, o coronel Carlos Neves, numa conferência de imprensa, em Angra do Heroísmo,

O coronel adiantou que as autoridades prosseguiram ao realojamento de 53 pessoas de forma "célere".

A Proteção Civil evacuou também, por precaução, 50 pessoas nas Lajes do Pico “que, após a situação ser avaliada, irão por certo regressar rapidamente a suas casas”, informaram as autoridades.

Agradecendo a ação dos bombeiros, das forças armadas e das forças de segurança, o Coronel Carlos Neves salientou que não foram registados feridos nem mortes em consequência do furacão “Lorenzo”.

O Faial foi a zona com mais ocorrências, tendo registado 82 .

As situações mais dramáticas foram sentidas na zona da Feteira, no município das Lages do Pico e no porto das Lajes das Flores, que ficou completamente destruído pelas ondas que partiram o molhe e arrastaram contentores e embarcações.

“Não tínhamos capacidade para impedir os estragos”, afirmou o coronel.

Questionado sobre o levantamento final em termos de prejuízos, o Coronel respondeu que “deve demorar 2, 3 ou 4 dias para fazer a avaliação dos estragos”. Adianta também que a “vida das pessoas pode correr com condições satisfatórias de segurança”.

Foram registadas falhas numa conduta de água no município de Velas em S. Jorge, porém o fornecimento à população não foi afetado.

A Proteção Civil salientou também as falhas que aconteceram no fornecimento de energias em todas as ilhas, afirmando que a situação está normalizada, exceto nas ilhas do Pico, Flores e S. Jorge.

O maior número de meios foi direcionado para o Pico, no entanto, como o furacão se dirigiu mais a Este, as equipas foram reorientadas para as Flores.

O coronel afirmou ainda que, “nos últimos vinte e poucos anos, este furacão foi dos mais fortes”.

Período crítico do “Lorenzo” já passou mas influência vai manter-se

O período crítico do furacão “Lorenzo” nos Açores terminou, mas durante o resto de quarta-feira ainda se vai sentir na região a sua influência em termos de agitação marítima e vento, disse à Lusa fonte do IPMA.

Vanda Costa, meteorologista do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), referiu, cerca das 16:00 locais (17:00 em Lisboa), que os avisos vermelhos foram entretanto levantados e que “já se está numa fase de diminuição de todos os parâmetros”.

Segundo a especialista, “consoante o afastamento do 'Lorenzo’ do arquipélago, haverá diminuição do vento”, sendo que a agitação marítima “é a que leva mais tempo a diminuir”.

A região está também “fora do perigo gerado pela precipitação, por vezes forte”.

A meteorologista explicou que o grupo Oriental, composto pelas ilhas de São Miguel e Santa Maria, encontra-se esta tarde sob aviso laranja (o segundo mais grave), devido à agitação marítima, pelo menos até às 18:00 horas dos Açores.

No grupo Central (Faial, Pico, São Jorge, Graciosa e Terceira) também devido à agitação marítima, existe uma aviso amarelo até às 21:00, que se estende às ilhas das Flores e Corvo (grupo Ocidental).

Entretanto, a SATA Air Açores já retomou as ligações aéreas com o grupo Central e realizou esta tarde três voos, que reencaminharam 250 passageiros para a Terceira, São Jorge, Pico, Graciosa e Faial.

A rede elétrica de média tensão já foi normalizada no Pico e nas Flores, esperando-se que, nas próximas horas, todos os danos elétricos registados ao nível da baixa tensão nestas duas ilhas e no Pico fiquem também resolvidos.

O ministro Adjunto e da Economia, Pedro Siza Vieira, irá na quinta-feira deslocar-se aos Açores, em representação do primeiro-ministro, António Costa, para analisar os danos causados pelo furacão.

 

Razões de segurança determinam encerramento de duas escolas

A escola Manuel de Arriaga, no Faial, vai estar fechada até sexta-feira e a escola do 1.º ciclo da vila de São Roque, no Pico, até quinta-feira, anunciou hoje o Governo dos Açores, justificando a medida com razões de segurança.

Segundo o executivo regional, a escola do 1.º ciclo da vila de São Roque estará encerrada na quinta-feira, “por razões de segurança”, os mesmos motivos que determinam o fecho da escola básica e secundária Manuel de Arriaga na quinta e na sexta-feira.

Neste último estabelecimento de ensino, as atividades letivas são retomadas na segunda-feira, acrescenta a nota divulgada pelo Governo dos Açores.

 

Pessoas desalojadas no Pico poderão regressar a casa nas próximas horas

O vice-presidente da Câmara das Lajes do Pico, na ilha açoriana do Pico, disse hoje que as cerca de cem pessoas desalojadas, provisoriamente, por causa do furacão “Lorenzo” poderão regressar a casa “nas próximas horas”.

As pessoas foram desalojadas por uma questão preventiva e não porque as suas casas tivessem algum dano. Podiam ter tido se a evolução do mar fosse sempre naquele ritmo, o que, felizmente, não aconteceu. Nas próximas horas poderão regressar” a casa, referiu à agência Lusa Nélson Macedo.

O governante explicou foram retiradas provisoriamente das Lajes do Pico 93 pessoas, das quais 50 foram encaminhadas para uma escola e as restantes ficaram em casa de familiares.

O autarca, que falava à Lusa pelas 16:30, explicou que a passagem do furacão “Lorenzo” apenas danificou uma habitação, mas que causou estragos em infraestruturas municipais, e em instalações balneares e de lazer.

O vice-presidente acrescentou que a tempestade originou algumas quebras de energia, entretanto normalizadas, mas que não afetou o abastecimento de água.

Agora há uma acalmia do mar, que esteve muito intenso durante a manhã e não há praticamente vento”, contou.

O presidente do PSD/Açores, Alexandre Gaudêncio, elogiou o que diz ter sido o "sentido de cooperação" dos açorianos e também o trabalho desenvolvido nas operações de Proteção Civil durante a passagem do furacão "Lorenzo".

"Os açorianos voltaram a demonstrar o seu excecional sentido de cooperação perante mais um momento de adversidade. Os açorianos seguiram à risca todos os cuidados a tomar em caso de mau tempo, garantindo assim que a passagem do furacão pelos Açores não provocasse quaisquer vítimas", afirmou Alexandre Gaudêncio, citado em nota de imprensa.

Vodafone diz que o serviço móvel afetado está "totalmente recuperado" 

A empresa de telecomunicações Vodafone afirmou hoje que o seu serviço móvel foi afetado nas ilhas do Corvo, Flores, Faial, Pico e São Jorge devido à passagem do furacão “Lorenzo” pelos Açores, mas já está “totalmente recuperado”.

Em resposta à agência Lusa, a Vodafone salientou que os constrangimentos nestas ilhas açorianas ocorreram “maioritariamente devido a falhas de energia”.

Neste momento, a situação está resolvida e o serviço já se encontra totalmente recuperado”, afirmou a empresa de telecomunicações.