Todos os distritos de Portugal continental estão esta quinta-feira sob aviso amarelo devido à previsão de aguaceiros, por vezes fortes e acompanhados de trovoada, devido a uma depressão, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

De acordo com o IPMA, os distritos de Viana do Castelo, Braga, Porto, Aveiro, Coimbra, Vila Real, Viseu, Portalegre e Évora vão estar sob aviso amarelo entre as 12:00 as 18:00 de hoje e Guarda, Bragança, Castelo Branco entre as 12:00 as 21:00.

Os distritos de Leiria e Santarém estão sob aviso amarelo entre as 12:00 e as 15:00, Lisboa entre as 06:00 e as 12:00, Setúbal e Beja entre as 09:00 e as 15:00 e Faro entre as 09:00 e as 12:00.

O aviso amarelo é emitido pelo IPMA sempre que existe uma situação de risco para determinadas atividades dependentes da situação meteorológica.

Em comunicado, o IPMA adianta que após uma sequência de dias quentes e secos, a partir de hoje ocorrerá uma mudança na situação meteorológica com descida gradual de temperatura e aguaceiros que serão por vezes fortes e acompanhados de trovoada e afetando todo o território do continente.

Esta situação persistirá pelo menos até sábado.

A precipitação mais intensa será mais provável a partir da manhã de hoje, evoluindo do litoral para o interior e poderá ser acompanhada de trovoada. O vento soprará por vezes forte, em especial nas terras altas, com rajadas em particular na sexta-feira.

A temperatura irá descer gradualmente, em especial os valores máximos e mais notoriamente hoje, podendo atingir entre 5 e 8 graus Celsius de diferença nas regiões do interior.

A agitação marítima na costa sul do Algarve irá aumentar temporariamente na tarde de sexta-feira com ondas de sudoeste com 2 a 2,5 metros.

Segundo o IPMA, esta situação é causada por bandas de precipitação associadas a uma depressão que se irá localizar hoje a cerca de 600 quilómetros a norte da Madeira e que se irá deslocar para leste, passando a localizar-se a cerca de 200 quilómetros a sudoeste da região de Lisboa na sexta-feira.

A evolução da depressão e da sua natureza tem vindo a ser monitorizada pelo IPMA e pelo National Hurricane Centre (NHC, responsável pela monitorização de ciclones tropicais no Atlântico), tendo sido identificada uma probabilidade de 20% desta depressão extra-tropical se transformar numa depressão sub-tropical, isto é, adquirir algumas características que se verificam em ciclones tropicais”, adianta o instituto.

No entanto, o IPMA salienta que esta possibilidade apenas se restringe a um período da sua trajetória sobre o mar e, portanto, sem afetar as regiões costeiras do território nacional (continente e ilhas).

Nove concelhos de quatro distritos em risco máximo de incêndio

Nove concelhos dos distritos de Braga, Vila Real, Bragança e Guarda apresentam esta quinta-feira risco máximo de incêndio, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

Em risco máximo estão os concelhos de Cabeceiras de Basto (Braga), Chaves, Valpaços (Vila Real), Mirandela, Alfândega da Fé, Mogadouro, Torre de Moncorvo, Freixo de Espada à Cinta (Bragança) e Figueira de Castelo Rodrigo (Guarda).

O IPMA colocou também em risco muito elevado de incêndio vários concelhos dos distritos de Viana do Castelo, Braga, Vila Real, Bragança, Porto, Aveiro, Viseu, Guarda, Coimbra, Leiria, Santarém, Castelo Branco e Portalegre.

O risco de incêndio determinado pelo IPMA tem cinco níveis, que vão de reduzido a máximo.

Autoridade Marítima dos Açores alerta para previsões de agravamento

A Autoridade Marítima dos Açores alertou hoje para a possibilidade de agravamento das condições de mar na sexta-feira no grupo Ocidental (Flores e Corvo) e nas denominadas ‘ilhas do triângulo’ (Faial, Pico e São Jorge).

Num comunicado enviado às redações, a Capitania do Porto de Santa Cruz das Flores e a Capitania do Porto da Horta chamam a atenção para as previsões de mau tempo no grupo Ocidental durante a manhã de sexta-feira e nas ‘ilhas do triângulo’ (no grupo Central) na tarde do mesmo dia, estando prevista uma gradual melhoria ao longo de sábado.

O comunicado, assinado pelo capitão do Porto da Horta, Paulo Rafael da Silva, recomenda à comunidade marítima medidas de precaução e proteção, "evitando as áreas de maior exposição à ondulação, verificando e reforçando a amarração, ou preferencialmente varando em lugar seguro as suas embarcações".

A população "não deve frequentar as zonas costeiras, em especial as expostas à agitação marítima".

A autoridade sublinha que nestas condições de agitação marítima "o mar pode facilmente alcançar zonas aparentemente seguras", pelo que pede que na proximidade da orla costeira se mantenha "uma atitude de permanente vigilância".

/ RL - atualizada às 12:14