Apesar dos familiares das vítimas pedirem respostas há mais de um ano, o pai do único arguido neste processo refere que «a estratégia nunca foi o silêncio. A estratégia foi sempre prestar todos os contributos para o processo, no apuramento da verdade, no lugar certo e junto das pessoas competentes».


«Ele mais do que ninguém, como jovem que viu perder os seus amigos, num momento daqueles, é o primeiro a querer que a verdade venha ao de cima».











«Por que é que ele tem mentido?», a pergunta que os pais deixaram cá fora, vista a ausência de João Gouveia no debate instrutório.



«Gostava de perguntar ao João por que é que ele teve a ideia de os levar à praia naquela noite. Nós precisamos de uma resposta daquilo que aconteceu naquela noite, para fazer o luto da morte dos nossos filhos», conta uma das mães.