O Governo abriu um concurso para 86 vagas para a especialidade de Medicina Geral e Familiar para centros de saúde das cinco Administrações Regionais de Saúde (ARS), segundo um aviso publicado na quarta-feira em Diário da República.

A nota destaca que os postos de trabalho a ocupar caracterizam-se, genericamente, pelo desempenho de funções médicas, na especialidade de Medicina Geral e Familiar.

Segundo o Ministério da Saúde, este concurso destina-se a médicos já vinculados ao Serviço Nacional de Saúde, que pretendam alterar o seu local de trabalho.

Este procedimento agora em curso vem responder às necessidades de alteração de local de trabalho que não têm sido respondidas através dos concursos de mobilidade”, adianta o Ministério da Saúde em comunicado.

Segundo a tutela, foram abertas 30 vagas tanto na Administração Regional de Saúde (ARS) de Lisboa e Vale como na ARS Centro, 20 na ARS do Norte e seis na ARS Algarve, distribuídas por unidades em 33 agrupamentos de centros de saúde, refere o Ministério da Saúde.

O prazo para apresentação de candidaturas é de cinco dias úteis, contados a partir da data da publicação do aviso no Diário da República.

O prazo de cinco dias úteis previstos para apresentação das candidaturas no âmbito do presente procedimento, fundamenta-se na urgente necessidade de contratação dos médicos que, já sendo detentores de uma relação jurídica de emprego público queiram, desta forma, alterar o seu local de trabalho, por forma a adaptar as suas necessidades àquelas que são sentidas, quer pelas populações alvo dos cuidados de saúde primários quer dos próprios serviços e respetivas equipas que integram a rede de cuidados de saúde primários.”

A falta de médicos de família interessados nas vagas nesta especialidade é um problema recorrente no Sistema Nacional de Saúde (SNS).

Em março, no último concurso para novos médicos de família, que decorreu em dezembro de 2018, foram colocadas apenas 73 das 113 vagas abertas.

Na altura, a Associação Portuguesa de Medicina Geral chamou a atenção para as zonas com maiores carências como o Algarve e o Alentejo.