O Ministério da Saúde quer reduzir os tempos de espera para primeiras consultas de especialidade, cirurgias e exames e outros meios de diagnóstico.

Para isso, o Serviço Nacional de Saúde vai pagar mais a médicos, e outros profissionais, que se disponham a trabalhar fora de horas, nomeadamente ao fim de semana.

Segundo avança o jornal Público o valor a pagar vai variar mas poderá ir dos 12 aos 19 euros por consulta.

Para compensar esta despesa adicional, a tutela acredita numa diminuição dos gastos com atos médicos nas unidades privadas com as quais existem acordos.

Pela primeira vez, vão existir prazos máximos de resposta para radioterapia (15 dias), medicina nuclear e angiografias (30 dias), endoscopias, TAC e ressonâncias magnéticas (90 dias).

As primeiras consultas de especialidade passam a ter que ser realizadas em quatro meses em vez dos atuais cinco meses. Também para as cirurgias, o prazo vai ficar mais apertado, apenas seis meses.

Recorde-se que os sindicatos médicos marcaram uma greve nacional para os dias 10 e 11 de maio e, apesar da já terem sido realizadas algumas reuniões com a tutela, os clínicos consideram que “algumas matérias continuaram a afastar os sindicatos do Ministério da Saúde”.