O pai e a madrasta de Valentina vão aguardar julgamento em prisão preventiva. A medida de coação mais gravosa foi decretada, esta quarta-feira, pelo juiz de instrução Gil Vicente do Tribunal de Leiria.

Decide-se sujeitar a prisão preventiva os arguidos Sandro e Márcia, uma vez fortemente indiciados de: a arguida Márcia Monteiro realizou como autora de um crime de homicídio qualificado por omissão e sob dolo eventual (...). O arguido Sandro Bernardo realizou como autor um crime de homicídio qualificado (...). Ambos os arguidos, em coautoria, um crime de profanação de cadáver. O arguido Sandro realizou um crime de violência doméstica", anunciou a oficial de justiça. 

Isto significa que Sandro Bernando foi indiciado de homicídio qualificado e de violência doméstica, enquanto Márcia Monteiro foi indiciada "de homicídio qualificado por omissão e sob dolo eventual", ou seja, esta previu o resultado final deste crime e não impediu que isso acontecesse. Ambos os arguidos são suspeitos, em coautoria, do crime de profanação de cadáver.

A moldura penal para o crime de homicídio qualificado pode ir até 25 anos de prisão, ou seja, a pena máxima em Portugal. Já a de ocultação de cadáver pode ir até aos cinco anos. 

A TVI sabe que Márcia Monteiro vai ser transportada por elementos da Polícia Judiciária (PJ) para o Estabelecimento Prisional de Tires. Relativamente a Sandro Bernardo, o caso parece estar a ser mais complicado, uma vez que têm sido feitas várias ameaças ao pai de Valentina por parte de vários reclusos. Nesse sentido, este deverá ser transportado ou para o Estabelecimento Prisional de Évora ou para uma cela da PJ, à semelhança do que aconteceu com o hacker Rui Pinto. 

A criança, de 9 anos, foi dada como desaparecida na manhã de quinta-feira, depois de uma denúncia do pai no posto de Peniche da GNR. Na manhã de domingo, foi encontrada sem vida numa zona eucaliptal, na Serra D'el Rei, em Peniche. 

A autópsia realizada ao corpo da menina confirmou que esta tinha sido alvo de agressões com enorme violência antes de perder a vida

Segundo o resultado preliminar, a menina tinha lesões na cabeça e indícios de asfixia. De acordo com fonte policial, embora haja indícios de asfixia, a criança de nove anos terá sofrido agressões em vários locais, o que lhe causou diversas lesões.

Resultados que confirmam a teoria da PJ de que a Valentina foi morta em casa, num "contexto de violência" e não na sequência de um acidente, relatado pelo pai, durante o dia de quarta-feira, tendo o corpo sido levado para a Serra d'El-Rei durante a noite do mesmo dia.

Cláudia Évora Daniela Rodrigues / Atualizada às 13:30