As escolas privadas voltam a destacar-se no ranking do ensino secundário relativo ao ao último ano letivo 2017/18. Analisando apenas as notas dos exames, o setor privado ocupa 40 das primeiras 50 posições nos dados do Ministério da Educação, analisados pela TVI e pela Lusa.

O primeiro estabelecimento de ensino público aparece no 27º lugar (no ano anterior surgia em 28º). Há subidas e descidas, no ranking, de quase 300 lugares.

De realçar que três quartos das escolas públicas (75%, portanto) passaram nas provas; foram 85% nos privados. Isto tendo em contra o critério de mais de 100 exames realizados.

As dez melhores escolas nos exames são do setor privado

Comecemos então pelas dez melhores nas notas dos exames, todas do setor privado: o Colégio Nossa Senhora do Rosário, no Porto, repete o feito com a média mais alta nos exames de 2018. Os alunos obtiveram uma média de 15,5 valores nas provas nacionais e mais de 17 valores na média de frequência interna.

Em segundo lugar, surgem os Salesianos do Estoril, com uma média 14,7 nos exames e 15 valores na frequência interna.

O terceiro lugar é ocupado pelo Colégio Universal do Porto, onde a diferença entre a nota dos exames e frequência interna volta a subir: 14,6 contra 16,3.

Em quarto lugar, está o Saint Peters School, em Setúbal, com 14,6 de média nos exames.

Em 5º lugar, o Colégio Manuel Bernardes, em Lisboa, com pouca diferença entre a média dos exames (14,5) e a média de frequência (15 valores). 

À exceção do Grande Colégio Universal, todas estas escolas privadas faziam parte do top 10 no ano anterior.

Distrito Concelho Público/Privado Escola Média (CIF) Classificação Interna Final Média  Exames  Nº Exames Classificação no ranking
Porto Porto Particular e Cooperativo Colégio Nossa Senhora do Rosário 17,39 15,50 445 1
Lisboa Cascais Particular e Cooperativo Salesianos do Estoril - Escola 15,08 14,79 436 2
Porto Porto Particular e Cooperativo Grande Colégio Universal 16,35 14,62 144 3
Setúbal Palmela Particular e Cooperativo Colégio St. Peter's School 15,31 14,60 238 4
Lisboa Lisboa Particular e Cooperativo Colégio Manuel Bernardes 15 14,57 247 5
Lisboa Lisboa Particular e Cooperativo Colégio Moderno 15,52 14,56 423 6
Braga Braga Particular e Cooperativo Colégio D. Diogo de Sousa 16,86 14,51 621 7
Coimbra Coimbra Particular e Cooperativo Colégio da Rainha Santa Isabel 16,61 14,39 358 8
Porto Porto Particular e Cooperativo Colégio Luso-Francês 16,52 14,21 327 9
Lisboa Lisboa Particular e Cooperativo Salesianos de Lisboa 15,35 13,82 684 10

As melhores públicas no secundário

Entre as únicas dez escolas públicas que entram no top 50, em todas elas, a média dos exames não chegou aos 13 valores, mas as médias de frequência interna são superiores a 14,5. A maioria é repetente (pela positiva, neste caso), no ranking de escolas.

A melhor escola pública é a Secundária Clara de Resende, no Porto. Surge no 27º lugar do ranking geral, com uma média de 12,8 valores. (No ano anterior tinha sido a Garcia de Orta, na mesma cidade, assumindo a 28ª posição). 

Neste ranking do ano letivo 2017/18, a segunda com melhores resultados é Escola Secundária Infante D. Maria, em Coimbra, que realizou 858 exames e uma média de 12,73. Volta a subir, surgindo na 32ª posição do ranking.

Logo depois vem a Secundária Eça de Queiroz, na Póvoa de Varzim, com 12,5 de média nos exames nacionais. É o 34º estabelecimento de ensino no top geral.

Uns degraus mais abaixo no ranking geral (39º posição), surge a Secundária Alves Martins, em Viseu. É a quarta melhor pública e a que mais exames realizou entre as dez públicas com melhores resultados, com uma média de frequência de cerca de 14,7 valores e de 12,4 nos exames.

O quinto lugar é ocupado pela Escola Secundária Tomaz Pelayo, em Santo Tirso. Os alunos conseguiram uma média de 12,4 nos exames nacionais e colocaram a escola no 40ª posição do ranking geral.

Distrito Concelho Público/Privado Escola Média CIF Média  Exames    Nº Exames Classificação
Porto Porto Público Escola Básica e Secundária Clara de Resende 14,75 12,88 488 27
Coimbra Coimbra Público Escola Secundária Infanta D. Maria, Coimbra 14,68 12,73 858 32
Porto Póvoa de Varzim Público Escola Secundária Eça de Queirós, Póvoa de Varzim 14,58 12,53 989 34
Viseu Viseu Público Escola Secundária Alves Martins 14,66 12,46 1818 39
Porto Santo Tirso Público Escola Secundária Tomaz Pelayo 14,61 12,43 469 40
Porto Trofa Público Escola Secundária da Trofa 13,69 12,36 436 42
Porto Porto Público Escola Secundária Garcia de Orta 14,97 12,34 793 43
Lisboa Lisboa Público Escola Secundária do Restelo 13,87 12,24 759 46
Santarém Alcanena Público Escola Secundária de Alcanena 14,14 12,23 195 48
Porto Vila Nova de Gaia Público Escola Secundária Dr. Joaquim Gomes Ferreira Alves 14,48 12,20 957 49

As escolas pior classificadas

As últimas dez escolas, aquelas que tiveram piores classificações, são todas públicas, à exceção de uma do ensino particular e cooperativo que, na verdade, fica em Díli, Timor-Leste.

Em todas, as médias de frequência foram positivas, mas as médias dos exames nacionais foram, em todas, negativas, não só abaixo de 10 (onde começam as positivas), mas até de 9 valores. 

Distrito Concelho Público/Privado Escola Média CIF Média  Exames Nº Exames Classificação
Lisboa Loures Público Escola Secundária José Cardoso Pires 12,13 8,49 173 506
Setúbal Almada Público Escola Básica e Secundária Prof. Ruy Luís Gomes 12,75 8,47 166 507
R. A. Madeira Ribeira Brava Público Escola Básica e Secundária Padre Manuel Álvares 13,98 8,47 224 508
Lisboa Amadora Público Escola Secundária Seomara da Costa Primo 13,24 8,25 377 509
Setúbal Barreiro Público Escola Básica e Secundária de Santo António 13,19 8,19 160 510
Porto Porto Público Escola Básica e Secundária do Cerco 12,90 8,19 198 511
Portalegre Nisa Público Escola Básica e Secundária Prof. Mendes Remédios, Nisa 12,55 8,16 109 512
Estrangeiro Estrangeiro Particular e Cooperativo Escola Portuguesa Ruy Cinatti, Díli 13,43 8,13 114 513
R. A. Açores Lajes do Pico Público Escola Básica e Secundária de Lajes do Pico 13,13 8,05 124 514
Setúbal Alcácer do Sal Público Escola Secundária de Alcácer do Sal 13,70 7,94 220 515

Médias subiram tanto no público como no privado

As médias, essas, subiram ligeiramente em ambos os casos. Os colégios privados melhoraram a sua média em quase uma décima, passando de 12,07 valores para 12,16 valores, enquanto as escolas públicas registaram uma melhoria de centésimas, passando de 10,74 valores para 10,77 valores.

Coimbra foi o distrito a registar a melhor média, ultrapassando o Porto, que tinha liderado a lista distrital no ano anterior (com 11,24 valores em 2017), embora por uma diferença muito, muito curta, apenas pouco mais de uma décima: 11,36 valores contra 11,25.

Os distritos que conseguiram uma média superior a 11 valores foram Viseu, Viana do Castelo, Braga, Leiria, Lisboa e Santarém. Só Portalegre e as escolas portuguesas no estrangeiro, vistas como uma região, registaram uma média negativa.

Subidas e descidas de quase 300 lugares

Em 2017/2018, registaram-se subidas e descidas no ranking, comparativamente ao ano letivo anterior, de quase 300 lugares. O Colégio João de Barros, em Pombal, Leiria, foi o que mais lugares subiu: 263 degraus, até à 135.ª posição.

O segundo classificado entre os que mais recuperaram nas notas dos exames é uma escola pública, com proeza muito semelhante: a Escola Secundária Dr. João Lopes de Morais, em Mortágua, Viseu, subiu 249 lugares até à 174.ª posição.

Entre as dez que mais melhoraram resultados em 2018 há apenas mais uma escola privada, o Externato de Vila Meã, em Amarante, Porto. As restantes são escolas públicas que subiram mais de 200 lugares ou lá perto.

Nas descidas, o maior tombo coube à Escola Básica e Secundária de Penalva do Castelo, Viseu, que recuou 275 lugares na lista, para a 403.ª posição.

As dez escolas que mais andaram para trás são, sobretudo, públicas. Há apenas um colégio privado: o Colégio Rainha D. Leonor, nas Caldas da Rainha, Leiria, que passou da 33.ª para a 230.ª posição. Contas feitas, uma descida de 197 lugares.

Esta análise das escolas que mais subiram e desceram na lista das médias dos exames nacionais do ensino secundário contabilizou 494 estabelecimentos que levaram alunos a exame, aqueles que tinham dados disponíveis comparáveis relativos a 2017.

De realçar que, desde o ano letivo 2015/2016 para cá, o Ministério da Educação também mede o sucesso na recuperação dos alunos, indo então muito além das notas dos exames. Aí, há mais escolas públicas do que privadas a figurar nos primeiros lugares do ranking.