As operações na pedreira de Borba onde há ainda três pessoas desaparecidas continuam esta quarta-feira, pelo 10.º dia de buscas, com o reforço da bombagem de água e o mapeamento do fundo, disse fonte da Proteção Civil.

A fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Évora adiantou à agência Lusa que se mantém suspensas as ações com mergulhadores devido à falta de condições de segurança.

O mapeamento do fundo da pedreira mais profunda, com um plano de água maior e onde as autoridades procuram, pelo menos, três desaparecidos, está a ser feito por equipas da Marinha e do Instituto Hidrográfico, com a utilização de um sonar.

Continua a retirada de água com a instalação de mais motobombas", disse a mesma fonte, referindo que as operações envolviam hoje de manhã 21 operacionais e 15 viaturas.

A água, que é encaminhada para uma ribeira limítrofe, está a ser retirada da pedreira mais profunda, que se encontra “em suspensão de lavra” (sem atividade) e onde as autoridades procuram os desaparecidos, que seguiam em duas viaturas automóveis no momento da derrocada da estrada.

Nesta pedreira onde estão concentradas agora as operações, a “acessibilidade de veículos e de equipamentos" é "muito limitada", indicou já o comandante distrital de Operações de Socorro (CODIS) de Évora, José Ribeiro, prevendo que drenagem de água vai levar algum tempo.

Segundo José Ribeiro, as autoridades desconhecem ainda a localização das duas viaturas que foram arrastadas.

O deslizamento de um grande volume de terra na estrada 255 entre Borba e Vila Viçosa, no distrito de Évora, provocou a deslocação de uma quantidade significativa de rochas, de blocos de mármore e de terra para o interior de duas pedreiras contíguas no dia 19 deste mês, às 15:45.

O acidente, segundo a Proteção Civil, provocou a morte de dois trabalhadores da empresa de extração de mármores da pedreira contígua, que se encontrava ativa, o maquinista e o auxiliar de uma retroescavadora, cujos corpo já foram recuperados.

O corpo da segunda vítima mortal foi retirado no sábado à noite (cerca das 22:00) da pedreira que se encontrava ativa.

O primeiro trabalhador foi resgatado sem vida da mesma pedreira no dia seguinte ao acidente.

O Ministério Público instaurou um inquérito para apurar as circunstâncias do acidente, que é dirigido pelo Departamento de Investigação e Ação penal (DIAP) de Évora, e duas equipas da Polícia Judiciária estão a proceder a averiguações.

O Governo pediu uma inspeção urgente ao licenciamento, exploração, fiscalização e suspensão de operação das pedreiras situadas na zona de Borba.