A época de nomeação de tempestades já teve início e já são conhecidos os nomes para 2020-2021, anuncia o Instituto Português do Mar e da Atmosfera no seu site oficial.

De A a… W, estes são os 21 nomes escolhidos: Aurore, Blas, Celia, Diego, Evelyn, Vlamidir, Fabio, Georgia, Hans, Isabel, Jean-Louis, Konstantina, Lucas, Marjane, Nikolai, Odalys, Paris, Rada, Stefano, Taimi, Vladimir e Wallis.

De acordo com o IPMA, é atribuido um nome a todas as depressões extratropicais que originem um aviso de vento de nível laranja ou vermelho no sistema internacional de avisos meteorológicos, ou que tenha um impacto no território que mereça especial atenção.

A regra é que o primeiro país a emitir o aviso seja também responsável por dar o nome à depressão/tempestade e informar os restantes países, que deverão mantê-lo.

“A nomeação de tempestades tem como objetivo chamar a atenção da população e dos meios de comunicação para a prevenção e a salvaguarda de vidas e bens em situação de risco, melhorar a comunicação entre os serviços de meteorologia e com a estrutura de proteção civil, facilitando a monitorização e estudo de depressões ao longo do seu percurso sobre a Europa”, informa o IPMA em nota.

Este tipo de nomeação teve início em 2017, altura em que os serviços meteorológicos da rede europeia EUMETNET passaram a avaliar as depressões ou tempestades, com base nos valores previstos da intensidade do vento que justificassem a emissão de um aviso meteorológico a partir de nível laranja.

O IPMA chama ainda a atenção para o facto de a intensidade do vento ser o critério principal para dar o nome à depressão/tempestade, ainda que “outros sistemas depressionários a que não foi atribuído um nome podem ter associado precipitação, trovoada, queda de neve ou agitação marítima com impacto tal que dê origem a avisos meteorológicos no território nacional”.

Portugal está integrado no  Grupo Sudoeste (SW Group) composto pelo IPMA, AEMET (Espanha), Météo-France (França), RMI (Bélgica) e ao qual aderiu este ano o Meteolux (Luxemburgo). Em trabalho conjunto foi definida a lista de nomes que hoje se divulga para a nomeação destes episódios extremos e em articulação com outros serviços meteorológicos da Europa e dos EUA.