Um paraquedista português, pertencente à 4ª Força Nacional Destacada Conjunta ao serviço das Nações Unidas na República Centro-Africana, foi atingido a tiro no seguimento de confrontos com um grupo armado, informou o Estado Maior-General das Forças Armadas em comunicado.

O incidente aconteceu na região de Bambari, a 400 quilómetros a nordeste da capital, Bangui.

"O paraquedista ferido encontra-se bem, em situação estável e já teve a oportunidade de falar com a família. Está a ser acompanhado pela equipa médica da Força portuguesa, que avaliou o ferimento como ligeiro, prevendo-se a sua permanência na missão", pode ler-se na mesma nota.

De acordo com o comunicado, o confronto dos militares portugueses com o grupo armado aconteceu durante uma ação de patrulha dos militares portugueses numa zona sensível da cidade de Bambari, "conhecida por ser ocupada por elementos armados que ocupam de forma ilegítima habitações e ameaçam a população local", onde os paraquedistas têm realizado diariamente patrulhas com o objetivo de contribuir para o sentimento de segurança da população. 

"Durante a operação, elementos armados não identificados, dispararam deliberadamente contra os paraquedistas portugueses, motivando a pronta resposta da força de forma a garantir a sua segurança e da população na área". 

A 4ª Força Nacional Destacada ao serviço das Nações Unidas, composta por 159 militares, na sua maioria Paraquedistas do 2º Batalhão de Infantaria Paraquedista do Exército, está na República Centro-Africana desde o 6 de setembro de 2018. 

Andreia Miranda