“Foi reposta aquilo que nós dizemos ser a legalidade, ao pagar-se ao consultor de acordo com a tabela”, disse à Lusa Maria Merlinde Madureira, que referiu também que os concursos abertos para o grau de consultor abertos em 2002 só foram concluídos em 2013.




“É o topo de carreira dos médicos. O Serviço Nacional de Saúde (SNS) assim fica com o topo preenchido, o que é essencial para a formação dos médicos, porque são estas pessoas que fazem a orientação do internato [ano de formação dos médicos]”, disse o secretário de Estado da Saúde, Manuel Ferreira Teixeira.


“O decreto-lei define que vai ser criada uma comissão de avaliação, com a Ordem dos Médicos, Ministério da Saúde e faculdades de Medicina, no sentido de averiguar se em 2017 é possível o ano comum terminar. Claro que pode terminar se o curso de Medicina for suficientemente profissionalizante, que é aquilo que se pretende. Os estudantes não devem, de facto, acumular anos que tendem a ser um desperdício para eles e para a própria sociedade. Isso só se passará em 2017 caso esta comissão assim ache que deve ser”, afirmou.