"Considerando a necessidade de continuar a dar resposta à escassez de médicos em determinadas zonas do país e com o principal objetivo de assegurar a manutenção dos cuidados de saúde a todos os portugueses, o Ministério da Saúde reforçou a contratação de médicos de Medicina Geral de Familiar aposentados que - a par de outras como os vários concursos efetuados - pretende aumentar a cobertura de assistência à população em determinadas zonas do País onde esta carência mais se faz sentir"






"O número de médicos em falta é de 652 (e não 800) sendo que são 421 os que faltam na região da ARS-LVT (que juntamente com o Algarve representam zonas mais carenciadas)"


um em cada três utentes


Centro com mais 60 médicos


o que permitirá "aumentar substancialmente o número de utentes com médico de família na região, até 2016”, lê-se num outro comunicado.

“Atualmente, 7,6% dos utentes inscritos nas unidades de cuidados de saúde primários da Região Centro não têm médico de família atribuído, registando-se maior carência nos agrupamentos de centros de saúde do Pinhal Litoral, com 11,2% de utentes a descoberto, Dão Lafões, com 10,3%, e Baixo Mondego, com 7,3%”