O Ministério Público (MP) deduziu acusação contra um arguido que usou dados gravados nas bandas magnéticas de 203 cartões bancários, estando acusado de crimes de contrafação de moeda, falsidade informática, passagem de moeda falsa e burla informática.

Segundo o MP do Departamento de Investigação e Ação Penal de Lisboa, o arguido, de 48 anos e de nacionalidade brasileira, veio para Portugal em novembro de 2018, com o propósito de utilizar, em máquinas ATM, cartões comuns com bandas magnéticas regraváveis, nas quais estavam gravados, ou iria gravar, os dados de cartões bancários verdadeiros, de débito e crédito, emitidos por entidades bancárias portuguesas.

Ao todo, o arguido obteve os dados gravados nas bandas magnéticas de 203 cartões bancários.

O arguido realizou 131 movimentos, no valor global de 14.860 euros.

Destes, 25 foram movimentos com efetivo levantamento de quantias, no valor global de 4.700 euros.

O arguido encontra-se em prisão preventiva.