A ministra da Saúde, Marta Temido, foi filmada a virar as costas aos enfermeiros que a abordaram numa ação de campanha do PS, quarta-feira, na Figueira da Foz.

De forma inédita, sete organizações sindicais que representam os enfermeiros tentaram reunir-se com a ministra Marta Temido esta semana, mas não passaram do hall de entrada do Ministério da Saúde, uma vez que a governante não aceitou recebê-las.

Quanto às conversas que ontem tentaram ter no Ministério da Saúde… Certamente que ela poderá ter lugar novamente noutra ocasião. Hoje quem está aqui é a cidadã Marta Temido, que vem aqui, olhem, apanhar a mesma chuva que estão a apanhar", disse a governante.

Perante a insistência dos enfermeiros, Marta Temido acabou por dizer: "Olhe, vamos embora!"

De imediato, os representantes das organizações sindicais começaram a gritar "respeito".

Isto numa altura em que os enfermeiros apontam várias ilegalidades cometidas pelo Estado.

Os próximos tempos podem, por isso, ser de contestação. Paira no horizonte uma greve dos enfermeiros, que poderá ter efeitos para todos os utentes.

No Exclusivo desta semana damos voz ao alerta dos profissionais de saúde que denunciam o caos no Hospital de São Bernardo, em Setúbal. Sem espaço para atender os utentes, chegam a estar perto de 50 macas acumuladas nos corredores.

A situação é de tal forma grave que os enfermeiros das urgências recusam assumir responsabilidade e assinaram mesmo uma declaração, em que dizem que não estão em condições de assegurar a vida e a segurança dos doentes.

Falámos em exclusivo com uma enfermeira, que retrata o desespero que se vive no hospital de Setúbal e conta como os utentes ficam nos corredores vários dias.

A palavra adequada é angústia e desespero, porque não se consegue prestar cuidados adequados a todos os doentes, nem em tempo útil."