O Governo vai percorrer o país para conhecer o que de melhor e pior acontece na Saúde em Portugal, numa iniciativa que deverá ocorrer nos próximos dias, indicou esta sexta-feira a ministra da Saúde.

Marta Temido não concretizou datas, mas confirmou que “há várias iniciativas que estão programadas para conhecer melhor aquilo que é a realidade das coisas boas e das coisas menos boas que acontecem por esse país e irá acontecer nos próximos dias”.

A ministra falava em Vinhais, à margem da inauguração oficial da Unidade de Cuidados Continuados que está a funcionar há mais de meio ano.

O equipamento acolhe 20 doentes a necessitarem de cuidados depois de alta médica e dá resposta a uma população envelhecida, além de contribuir para fixar a mais jovem com 23 postos de trabalho, como indicou António Alberto, provedor da Santa Casa da Misericórdia de Vinhais, a proprietária da Unidade.

António Alberto alertou, contudo, a ministra de que a comparticipação do Estado para o tratamento destes doentes é a mesma paga em Vinhais como em Lisboa e “viver em Vinhais é muito mais difícil do que em Lisboa”.

Aqui, ao fim de dois ou três anos, uma viatura está desfeita”, exemplificou, referindo-se ao desgaste das deslocações por longas distâncias e em vias em mau estado e com difícil traçado, de curva contra curva, como acontece com a principal estrada do concelho, que liga Vinhais a Bragança, havendo promessas para a sua requalificação desde há anos.

O presidente da Câmara, o socialista Luís Fernandes, aproveitou a oportunidade para vincar que as aldeias estão longe da sede do concelho e do hospital de referência da região, que é o de Bragança.

A própria ministra testemunhou a dificuldade da principal ligação quando lhe foi dito que pouco mais de 30 quilómetros não é rápido nestas estradas, como partilhou com os presentes.

O autarca local sublinhou a importância da ligação a Bragança, referindo que “um minuto pode fazer toda a diferença ao nível da saúde".

Marta Temido indicou que aproveita esta deslocação ao Nordeste Transmontano para ainda hoje se reunir com os responsáveis da Unidade Local de Saúde e discutir as carências locais.

Bastonária dos Enfermeiros oferece-se para acompanhar primeiro-ministro

A bastonária da Ordem dos Enfermeiros escreveu ao primeiro-ministro a manifestar a sua disponibilidade para o acompanhar nas visitas a instituições de saúde, pedindo contudo que essas deslocações não sejam previamente anunciadas.

Considero que essas visitas são de extrema importância (…) e quero colocar-me à disposição de Vossa Excelência para o acompanhar, caso julgue oportuno”, refere a bastonária Ana Rita Cavaco, num ofício dirigido ao primeiro-ministro e a que a agência Lusa teve acesso.

A bastonária pede também que os serviços de saúde não sejam previamente avisados dessas visitas, para que o Governo possa tomar conhecimento da situação real que se vive nas unidades do Serviço Nacional de Saúde (SNS).

Acredito, sinceramente, que pretende tomar conhecimento da situação real do SNS, mas se as visitas forem antecipadamente marcadas, temo que terá muita dificuldade em perceber a realidade. A título de exemplo, recordo a visita de Vossa Excelência ao Hospital de Évora, no passado dia 11 de janeiro. Os corredores por onde passou foram pintados propositadamente para o efeito e muitos profissionais de saúde impedidos de chegar a Vossa Excelência ou à senhora Ministra da Saúde”, refere Ana Rita Cavaco.