O trânsito de um troço da rua das Taipas, em Lisboa, vai estar condicionado a partir de segunda-feira e interrompido a partir de quarta-feira para estabilização da encosta do Miradouro de São Pedro de Alcântara, segundo o município.

A Câmara de Lisboa diz em comunicado haver uma “necessidade urgente de estabilização da encosta” e lembra que os residentes e os veículos autorizados mantêm o acesso nos restantes troços da rua das Taipas, perto do Bairro Alto

A obra vai ser realizada por ajuste direto e não por concurso público, segundo uma proposta da Câmara de Lisboa a que a Lusa teve acesso, tendo os trabalhos um valor base de 5,49 milhões de euros e um prazo de execução de cinco meses.

O município justifica a opção da contratação de uma empreitada por ajuste direto à empresa Teixeira Duarte Engenharia e Construções com o facto de estarem em causa “valores de ordem pública, relativos à salvaguarda de pessoas e bens, face ao risco iminente de deslizamento de terras locais ou globais”.

Segundo o relatório da Câmara, desde 2006 verificam-se “fissuras no pavimento intermédio” do miradouro, a deformação do pavimento da rua das Taipas, roturas de infraestruturas e de movimentos dos bordos das juntas e fendas dos muros de suporte de terras do miradouro.

O Miradouro de São Pedro de Alcântara, que tem 250 anos de existência, é composto por três plataformas, cada uma suportada por um muro de alvenaria de pedra.

As obras visam a execução de cortinas e contrafortes em estacas moldadas e de vigas de travamento, a reabilitação dos muros existentes, a remoção controlada da camada de terras e implementação de plano para medir eventuais deslocamentos horizontais e verticais do talude.