O ministro do Ambiente reitera que o aeroporto que provoca menos problemas ambientais “é aquele que já existe”, no Montijo, lembrando que o primeiro estudo de impacto “não tinha densidade de informação para ser considerado conforme”.

O aeroporto que provoca menos impactos ambientais em boa parte é aquele que já existe, a base área do Montijo”.

João Pedro Matos Fernandes, falava na comissão de Economia, Inovação e Obras Públicas, no parlamento, depois de um requerimento apresentado pelo Bloco de Esquerda (BE) sobre a assinatura do acordo entre o Governo e a ANA Aeroportos.

O ministro realçou que o estudo não é da responsabilidade da sua tutela, e que existem dois impactos maiores que outros, nomeadamente o ruído, “que será maior do que o já existente”, e o impacto na avifauna da Reserva Natural do Tejo.

Por isso venha o estudo de impacto ambiental bem feito para ser ‘sine qua non’. [O primeiro estudo] não foi chumbado. Não tinha era a densidade de informação para ser considerado conforme. Foi preciso melhorá-lo”.

Matos Fernandes sublinhou ainda que este foi devolvido ao promotor e que está “a demorar mais de um ano” para ser novamente dado a conhecer devido ao facto de ter “fragilidades”. “Ainda não está na nossa posse, esperamos que em breve o tenhamos na nossa mão”.