A Câmara Municipal de Lisboa alargou o horário de funcionamento dos três crematórios existentes na cidade para responder ao aumento de óbitos que se tem verificado nos últimos dias.

Os corpos também podem dar entrada no cemitério antes da cremação para que seja agilizada e antecipada a cerimónia

O tempo de espera para as cremações tem aumentado e muito. Em Lisboa, onde cerca de 55% dos cadáveres são cremados, o tempo de espera chega aos três, quatro dias.

Uma subida que se deve ao facto de, em janeiro, Portugal vir a registar um excesso de mortalidade como há muito não se via.

Desde 5 de janeiro que o número de mortes tem estado acima da barreira dos 500. A 11 de janeiro, o país contabilizou 649 mortes, o valor mais alto dos últimos 12 anos.

Com a pandemia de covid-19, as funerárias tiveram de se adaptar. Agora que o país entra num novo confinamento, os funerais não podem ter ajuntamentos, mas o limite de presenças é determinado a nível local.

Apesar de não existir uma norma sanitária para todo o país, os profissionais do setor apelam ao bom senso para que não haja riscos desnecessários, numa altura difícil para todos. 

Sofia Santana