Esta segunda-feira assinala-se o Dia Nacional Contra o Cancro Digestivo. Um terço das mortes por cancro em Portugal, estão relacionadas com o sistema digestivo, são cerca de 10 mil por ano, ou seja, 30 por dia.

Um terço das mortes por cancro têm a ver com o aparelho digestivo", afirmou o Professor Rui Tato Marinho, presidente da Sociedade Portuguesa de Gastrenterologia.

A prevenção e diagnóstico precoce podem ser determinantes no tratamento desta doença.

O Professor Rui Tato Marinho, presidente da Sociedade Portuguesa de Gastrenterologia (SPG), esteve no Diário da Manhã desta segunda-feira, com o objetivo de alertar a população para as elevadas taxas de mortalidade e incentivar a prevenção.

Na ótica do professor, esse resguardo pode ser feito através da adoção de um estilo de vida preventivo como "evitar o álcool em excesso, tabaco e obesidade".

Uma das causas principais é a idade", acrescentou.

Esófago, estômago, pâncreas, fígado, cólon e reto são os cinco principais órgãos do aparelho digestivo onde incide o cancro digestivo, dois dos quais (pâncreas e fígado) são dos mais mortais e com esperança média de vida inferior a um ano.

A atividade do Gastrenterologista é, muitas vezes, única e preciosa no diagnóstico atempado, com a realização dos necessários exames endoscópicos que podem ser curativos e preventivos da evolução para cancro, como é o caso do cancro do cólon”, lê-se numa nota divulgada pela SPG.

O especialista acrescenta que “um terço dos 10 milhões de novos casos de cancro diagnosticados todos os anos a nível mundial podem ser prevenidos e outro terço curado, se forem detetados e tratados numa fase precoce”.