A Câmara de Lisboa vai propor à Comissão Municipal de Toponímia a atribuição dos nomes dos jornalistas Vicente Jorge Silva e Pedro Rolo Duarte a ruas da capital, segundo uma proposta esta quinta-feira aprovada em reunião privada do executivo.

O documento, subscrito pela vereadora Teresa Leal Coelho (eleita pelo PSD) e aprovado por unanimidade, salienta que Vicente Jorge Silva, nascido no Funchal em 08 de novembro de 1945, “destacou-se no jornalismo como diretor da revista do Expresso e foi um dos fundadores e primeiro diretor do jornal Público”.

Nessas funções, foi responsável por uma abordagem moderna na imprensa escrita, pela procura de novas vozes e novos talentos e por uma postura de rigor, isenção e pluralismo que em muito contribuiu para a maturidade da democracia portuguesa”, escreve a autarca.

Vicente Jorge Silva era um apaixonado por cinema, mas acabou por fazer carreira no jornalismo, tendo ainda sido deputado, uma experiência da qual não gostou.

Morreu na madrugada de 8 de setembro, em Lisboa, aos 74 anos.

Já Pedro Rolo Duarte, nascido em Lisboa, em 26 de abril de 1976, morreu em 2017, tendo sido fundador de projetos de imprensa como as revistas Visão e K, O Independente e o suplemento DNA, do Diário de Notícias.

Foi autor de programas de rádio e televisão com conteúdos de interesse para os jovens, nomeadamente sobre a cidade de Lisboa, contribuindo para a renovação de públicos atraídos por formatos inovadores e de qualidade”, lê-se na proposta.

Ao saberem ler as tendências, interesses e inquietações de novos públicos e ao estabelecerem níveis de exigência e padrões de qualidade que marcaram gerações, cada um à sua maneira, Vicente Jorge Silva e Pedro Rolo Duarte são dois jornalistas que merecem ser recordados e homenageados pela cidade onde viveram e onde trabalharam”, defende o documento.

Segundo as regras da Comissão Municipal de Toponímia, só após cinco anos da morte de alguém é que o seu nome pode ser atribuído a uma rua da cidade, mas a proposta de Teresa Leal Coelho pede que seja avaliada “a possibilidade de, excecionalmente, prescindir” desse prazo no caso do jornalista Vicente Jorge Silva.

Na reunião desta quinta-feira, foi também aprovado um conjunto de propostas da vereadora da Cultura, Catarina Vaz Pinto (PS), para atribuir topónimos a diversas ruas e espaços de Lisboa.

O professor universitário e político José Veiga Simão vai ser contemplado com um largo em Carnide, o arquiteto Ruy Jervis d’Athouguia será homenageado com um jardim em Alvalade, o arquiteto Manuel Tainha com uma rotunda na freguesia da Ajuda, o escritor António Tabucchi com uma rua no Lumiar e o autor de banda desenhada Eduardo Teixeira Coelho terá um jardim em Alvalade.

/ HCL