O médico e professor António Coimbra de Matos, "incontornável figura da saúde mental", morreu esta quinta-feira aos 92 anos, disse à Lusa uma fonte da família. 

António Coimbra de Matos nasceu a 20 de dezembro de 1929, em Galafura, uma aldeia perto de Peso da Régua, mas foi em Lisboa que se formou e desenvolveu a sua carreira que se baseou em três eixos, resumidas pelo próprio: "Fiz-me psiquiatra, para não ter de ir ao psiquiatra; psicanalista, na procura de me entender; professor, com a finalidade de aprender", afirmava.

Licenciou-se em Medicina no Porto, com especialização em psiquiatria, e dirigiu o Centro de Saúde Mental Infantil e Juvenil e o departamento de pedopsiquiatria do Hospital D. Estefânia, onde fez o seu trabalho hospitalar até se reformar. 

Em 1982 iniciou a sua carreira de docente tornando-se, a partir de 1990, professor associado convidado do Instituto Superior de Psicologia Aplicada (ISPA), cujo 'site' caracteriza o professor como "a mais incontornável figura da saúde mental em Portugal".

Além de ter escrito vários artigos e livros, António Coimbra de Matos foi fundador e presidente de diversas sociedades científicas, nomeadamente da Sociedade Portuguesa de Psicossomática, da Associação Portuguesa de Psicanálise e Psicoterapia Psicanalítica e ainda do Colégio de Psiquiatria da Infância e Adolescência da Ordem dos Médicos. 

Mais do que médico e professor, António Coimbra de Matos procurou investir no ensino e formação de novos psicanalistas e promover o trabalho científico desenvolvido pela SPP, tendo recebido vários prémios, nomeadamente internacionais como o 'Distinguished Psychoanalytic Educator Award 2012'.

/ AG