O Tribunal de Torres Vedras decretou prisão preventiva ao homem suspeito de violação, tentativa de homicídio, rapto, roubo e tentativa de coação contra duas mulheres este mês neste concelho, disse fonte policial.

Fonte da Polícia Judiciária afirmou à agência Lusa que o arguido confessou os factos durante o primeiro interrogatório judicial, realizado hoje no Tribunal de Torres Vedras, e vai aguardar julgamento em prisão preventiva, a medida de coação mais grave.

O suspeito, identificado e localizado após recolha de vestígios e realização de um retrato robô, está indiciado de “crimes graves executados de forma extremamente violenta”, refere a Polícia Judiciária em comunicado.

O homem, de 32 anos, está indiciado da prática de dois crimes de violação, homicídio na forma tentada, rapto, roubo e coação na forma tentada contra duas mulheres de 33 anos, bem como condução de veículo automóvel sem habilitação legal.

No dia 04, o alegado agressor, que se encontrava de máscara cirúrgica colocada no rosto, encontrou uma mulher a fazer uma caminhada junto à zona das termas dos Cucos, onde, sob ameaça de uma arma branca, a terá obrigado a deslocar-se para um local mais isolado e a terá violado, explicou o coordenador da diretoria de Lisboa e Vale do Tejo.

Uma vez que deixou cair a máscara cirúrgica, usada para a vítima não o identificar perante as autoridades policiais, tê-la-á agredido e atirado para dentro de um poço, arremessando-lhe pedras, que lhe provocaram ferimentos.

O arguido abandonou o local e a vítima foi localizada mais de uma hora depois por um agricultor.

No dia 13, ao volante de um veículo, o suspeito, de máscara cirúrgica e óculos de sol, encontrou outra mulher numa paragem de autocarro de uma aldeia, à espera de transporte para Torres Vedras (distrito de Lisboa), tendo-a convencido a aceitar boleia, esclareceu a mesma fonte.

Pouco tempo depois, o homem desviou caminho para um pinhal, onde a terá violado. Depois, coagiu-a a dar-lhe a carteira e a entrar novamente no carro, tendo-a transportado até à cidade de Torres Vedras, onde a deixou.

O alegado autor dos crimes, que residia na zona onde praticou os crimes e que saiu em liberdade no final do ano 2020 depois de cumprir pena de prisão por crimes de roubo e tráfico de droga, foi detido na quarta-feira.

/ PP