A Câmara de Proença-a-Nova vai apoiar os lesados pelos dois grandes incêndios que atingiram o concelho em 2020, suportando a aquisição de equipamentos até um valor máximo de 500 euros por proprietário.

Quando enviei os técnicos do município [Proença-a-Nova] para realizar o levantamento dos prejuízos nas aldeias afetadas por estes dois grandes incêndios, logo nos dias que se seguiram às ocorrências, verificámos que houve uma enorme perda de bens e materiais essenciais à manutenção da pequena agricultura, maioritariamente destinada a consumo próprio, que está fora do âmbito do apoio governamental", refere, em comunicado, o presidente da autarquia, João Lobo.

A Câmara de Proença-a-Nova estimou que os prejuízos causados pelo incêndio que deflagrou no dia 13 de setembro de 2020 no concelho ultrapassaram os sete milhões de euros, entre danos florestais, ambientais e agrícolas, bem como infraestruturas e recursos hídricos.

Já o incêndio que deflagrou no dia 25 de julho 2020 em Oleiros e que se estendeu à Sertã e Proença-a-Nova, no distrito de Castelo Branco, destruiu 466 hectares de floresta neste último concelho.

Os prejuízos ultrapassaram os 200 mil euros, contabilizando-se o investimento necessário para recuperar as infraestruturas afetadas, para controlar a erosão, tratar e proteger encostas, para prevenir a contaminação e assoreamento e recuperação de linhas de água, e os prejuízos em termos de biodiversidade.

O município de Proença-a-Nova vai apoiar os munícipes que foram afetadas pelos dois grandes incêndios que atingiram o concelho, nomeadamente, através da cedência de material para a reconstrução de coberturas de palheiros e anexos agrícolas, do fornecimento de mangueiras e tubos utilizados na agricultura e da entrega de espécies frutícolas nos casos em que as árvores ardidas não tiveram capacidade de recuperação.

Desta forma, é objetivo da autarquia apoiar os pequenos proprietários, incentivando-os a manter esta prática agrícola que faz parte da nossa matriz comunitária e também um importante complemento", sublinha João Lobo.

Segundo o autarca, esta é uma forma de apoiar as pessoas que não puderam apresentar candidatura aos apoios governamentais de restabelecimento do potencial produtivo das explorações agrícolas.

As pessoas afetadas têm até dia 31 de março para solicitarem este apoio.

No caso em que já tenham avançado com a compra de materiais para as obras ou de tubos e mangueiras, será apenas necessário apresentar as respetivas faturas.

Após o início do processo, os técnicos do município de Proença-a-Nova irão realizar o levantamento da área da cobertura dos palheiros ou anexos agrícolas e irão identificar a quantidade de espécies frutícolas a fornecer, considerando que o valor máximo do apoio por proprietário é de 500 euros.

. / JGR