O Grupo Media Capital reagiu, esta quarta-feira, através de um comunicado à notícia da morte de Jorge Coelho, “uma personalidade ímpar na democracia portuguesa”, que honrou a Media Capital com a “sua presença ativa na TVI” ao longo de vários anos.

É com profundo pesar que a Media Capital recebeu a notícia do falecimento de Jorge Coelho”, pode ler-se na nota.

O comunicado destaca a “experiência e percurso” de Jorge Coelho na atividade política e empresarial, que foram “uma mais valia inestimável para o prestígio da estação” e para o debate público esclarecedor “do qual todos nós muito beneficiámos”.

A todos os familiares e amigos o Conselho de Administração do Grupo Media Capital e todos os seus colaboradores apresentam as mais sentidas condolências”, concluiu

Jorge Coelho morreu, esta quarta-feira vítima de um ataque cardíaco fulminante. O político e ex-ministro socialista tinha 66 anos. 

Nascido em 17 de julho de 1954, em Mangualde, distrito de Viseu, Jorge Coelho era empresário, mas continuou sempre a acompanhar a atividade política, como comentador de programas como a Circulatura do Quadrado, na TVI24 e TSF, mas também como cidadão.

Jorge Coelho foi ministro de três pastas nos dois governos liderados por António Guterres: ministro Adjunto, ministro da Administração Interna e ministro da Presidência e do Equipamento Social.

A partir de 1992, com Guterres na liderança, Jorge Coelho foi secretário nacional para a organização, contribuindo para a vitória eleitoral dos socialistas nas legislativas outubro de 1995.

O socialista deixou de ser comentador da Circulatura do Quadrado na TVI em julho do ano passado.

Redação