O líder do movimento Nova Ordem Social (NOS), Mário Machado, foi detido esta terça-feira em casa pela Polícia Judiciária, por posse ilegal de arma, segundo avançou à Lusa fonte policial. 

A mesma fonte esclarece que a detenção ocorreu durante uma busca à casa de Mário Machado, em Santo António dos Cavaleiros, no âmbito de uma investigação da Polícia Judiciária por suspeitas de crimes de ódio e incitamento à violência através de comentários feitos na internet.

Segundo apurou a TVI, a detenção foi efetuada pela Unidade Nacional de Contraterrorismo (UNCT) e na origem da investigação estão publicações nas redes sociais de Mário Machado, de cariz racista e discriminatório.

José Manuel Castro, que é advogado de Mário Machado em diversos processos, entre eles o "Hells Angels", disse ainda à agência Lusa que o líder do NOS foi levado para o estabelecimento prisional anexo à PJ. Até agora, o advogado não respondeu aos contactos da TVI.

Mário Machado foi detido, concretamente, por uma publicação na Internet já com alguns anos. Foi esse o motivo que levou à origem da detenção. Era uma publicação em que apelava à detenção de um individuo que terá cometido um homicídio numa discoteca no Algarve. Curiosamente, nessa publicação não vinha referida a cor de pele ou etnia de ninguém”, disse o advogado, que representa Mário Machado em diversos processos, entre eles o 'Hells Angels’.

O advogado está “confiante” que o seu cliente seja ouvido nas próximas horas nas instalações da PJ ou do Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP).

O militante de extrema-direita e antigo líder da Frente Nacional foi detido em casa, em Santo António dos Cavaleiros, no concelho de Loures, cerca das 07:00.

Foi o único detido nesta operação.

À Lusa, o advogado de Mário Machado disse que a detenção do líder do movimento Nova Ordem Social deveu-se a uma publicação na Internet “já com alguns anos”,

Mário Machado foi detido, concretamente, por uma publicação na Internet já com alguns anos. Foi esse o motivo que levou à origem da detenção. Era uma publicação em que apelava à detenção de um individuo que terá cometido um homicídio numa discoteca no Algarve. Curiosamente, nessa publicação não vinha referida a cor de pele ou etnia de ninguém”, disse o advogado José Manuel Castro, que representa Mário Machado em diversos processos, entre eles o 'Hells Angels’.

Sublinhando que o processo está em “segredo de justiça”, José Manuel Castro evitou pronunciar-se sobre as informações que apontavam para alegadas buscas efetuadas na residência do antiexgo líder da Frente Nacional.

O advogado acrescentou ainda ter encontrado Mário Machado “confiante” e que o seu cliente deve ser ouvido nas próximas horas nas instalações da PJ ou do Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP).

Henrique Machado Catarina Pereira / Notícia atualizada às 13:30