O número de contágios por covid-19 disparou em Sesimbra, no distrito de Setúbal. No espaço de uma semana, o número de novos casos aumentou mais de 100% nesta região. 

A incidência situa-se agora nos 301 casos por 100 mil habitantes nos últimos 14 dias. Em declarações à TVI24, Francisco Jesus, presidente da Câmara Municipal de Sesimbra, fala em "subida vertiginosa". 

A nossa preocupação não tem a ver com o número bruto de casos, mas, sobretudo, com esta subida vertiginosa. Eu recordo que a 1 de junho tínhamos cerca de 90 casos por 100 mil habitantes e neste momento temos 300", referiu.

O autarca explicou que, segundo as informações recolhidas pelas autoridades de saúde locais, não existe nenhum foco específico de transmissão, mas, no entanto, existe uma incidência mais acentuada nos jovens e da comunidade pescatória. 

As informações que temos, sobretudo das autoridades de saúde locais, apontam para uma transmissão comunitária, não tem um foco específico numa localidade, portanto há incidência por todo o concelho, há uma grande incidência em jovens da comunidade escolar (...) há focos identificados também na comunidade pescatória."

Francisco Jesus deu conta que, atualmente, existem apenas duas pessoas do concelho de Sesimbra internadas em enfermaria no Centro Hospitalar de Setúbal: "não há um incidência muito grande de casos mais dramáticos".

A autarquia já pediu ajuda ao Governo para reforçar a presença de polícia nas ruas e nas praias para fiscalizar o cumprimento das regras.

Afinal, Sesimbra não vai avançar no desconfinamento

O concelho de Sesimbra não vai avançar para uma nova fase de desconfinamento, ao contrário do que estava previsto.

Não vai avançar. Recebemos há pouco essa informação do Governo”, afirmou o presidente do município, adiantando que haverá um despacho conjunto nesse sentido.

 

Aquilo que pedimos ao Governo foi validado hoje. Trata-se um pouco de subverter o que está no despacho do Conselho de Ministros, mas entendemos que é necessário”, referiu.

O “travão” agora decidido abrange essencialmente os horários dos estabelecimentos comerciais.

Trata-se de uma medida essencial para conter o súbito aumento do número de casos que afeta o município, evitar um possível retrocesso no desconfinamento e tentar que este cenário, que se espera que seja conjuntural, possa rapidamente ser invertido”, de acordo com a informação publicada.

A autarquia apelou à compreensão dos que possam ser lesados pela medida, lembrando que perante o contexto que se vive as medidas que tendam a reduzir a propagação da pandemia são, “por vezes difíceis e inadiáveis”.

Cláudia Évora / com Lusa - Notícia atualizada às 15:16