A Proteção Civil enganou-se, esta manhã, no número de aconselhamento à população de Beja e de Faro em risco de incêndio, enviando mensagens telefónicas com o número da Glassdrive, empresa de reparação de vidros de automóveis.

A notícia foi confirmada à TVI pela autoridade nacional, que adiantou, ainda, ter retificado de imediato a situação.

Foi por volta das 8:00 que os habitantes de Beja e Faro, distritos que estão nesta quinta-feira em risco máximo de incêndio, receberam um SMS de alerta, com um número para onde deveriam ligar em caso de dúvidas. Porém, o número em questão - 808 246 246 - pertence à Glassdrive.

Em declarações à TVI, Jorge Dias, da Autoridade Nacional da Proteção Civil, confirmou o erro e assegurou que logo a seguir foi enviada uma mensagem com a devida correção.

A Protecão Civil afirma que deu "logo conta do erro", ou seja, em vez dos populares ligarem para o 808 246 246 deveriam telefonar para o 800 246 246.

Fonte da Glassdrive disse à TVI ter recebido "muitas" chamadas esta manhã e que também foi contactada pela Proteção Civil, que lhes explicou o que tinha acontecido.

A SMS abaixo, à qual a TVI teve acesso, é de um habitante de Faro. Na mensagem é possível ver uma diferença de cerca de hora e meia entre as duas mensagens recebidas.

"As mensagens foram enviadas de imediato, mas não conseguimos prever as horas a que as pessoas as receberam", explicou Jorge Dias, remetendo a diferença horária para a qualidade da rede.

 

 

A segunda mensagem a que a TVI teve acesso, também da operadora MEO, foi enviada para Beja, tendo uma diferença menor entre as duas SMS.

 

A Proteção Civil lamentou, através de um comunicado às redações, o lapso no envio dos alertas via SMS.

Leia aqui o comunicado na íntegra:

Face à declaração de Estado de Alerta Especial de nível vermelho para os distritos de Faro e Beja, pela primeira vez a Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) acionou hoje, 2 de agosto, o sistema de aviso preventivo por SMS com o objetivo de informar os cidadãos daqueles distritos para a situação de risco elevado de incêndios rurais.

O SMS foi enviado pelas operadoras móveis às 08:00 horas.

Tendo sido detetado um lapso no número telefónico constante do SMS, destinado a esclarecimentos complementares, tal foi imediatamente corrigido, tendo as operadoras móveis remetido novo SMS com o número retificado.

A ANPC lamenta o ocorrido, bem como os eventuais incómodos causados e apresenta desculpas aos cidadãos e à empresa em causa."