“Até aqui existiam alimentos ou refeições muito calóricas. Agora queremos que os pais tenham atenção ao que fornecem em termos de nutrientes no pequeno-almoço. Há uma inversão. Até aqui existia o consumo de pães brancos, pães altamente processados. Agora há a preocupação em procurar um pão mais caseiro, com mais fibra, mais escuro. De facto este é o exemplo mais tradicional: o pão, o iogurte, a pecinha de fruta (…). Cada vez mais se trabalha para que logo ao pequeno-almoço existam também vegetais”, explica.