O risco de obesidade infantil aumenta para as crianças que vivem nas imediações de restaurantes de "fast food". Para além disso, o estudo do Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto realça ainda que menores que vivem em zonas desfavorecidas também têm maior probabilidade de virem a ser obesos.

Em Portugal, 30% das crianças sofre de excesso de peso ou obesidade infantil. Este relatório vem agora provar que existe uma correlação direta entre o a doença e a distância de restaurantes de comida conhecida como "fast food".

O grupo de investigadores analisou dados de 5200 crianças de sete anos, da zona metropolitana do Porto. Os menores estão a ser acompanhados desde 2005.

A média de obesidade geral é de 15%, mas existiam zonas em que esta percentagem era muito maior. Apartir daí chegou-se à conclusão da importância da distância a que os menores vivem destes estabelecimentos de restauração, bem como se viviam em zonas residenciais desfavorecidas.